EMPREENDEDORISMO: SEMENTE GERMINADA NAS UNIVERSIDADES.

A postura empreendedora quando bem difundida no ambiente universitário, reflete em um país desenvolvido, liberto do comodismo.

Para empreender é necessário está aberto às mudanças, enfrentando os possíveis problemas sem temer. Deve-se desenvolver a capacidade de enxergar além do óbvio. Somado a isso, é necessário garra e determinação. A universidade é o local oportuno para que estas competências germinem, entretanto ainda existe uma imensa barreira, enrijecida pela burocracia, e políticas universitárias vigentes, que impede que isso ocorra.

O empreendedorismo deveria ser parte intrínseca das universidades, apresentando-se como uma forma estratégica de impulsionar a economia do país. Contudo, o pouco contato que estas instituições oferecem aos alunos neste aspecto é em disciplinas como ética, gestão, sustentabilidade. Contato este superficial, que apenas instiga o lado dinâmico dos alunos. Universidades, à vista disto, pecam por não apresentarem reais opções de carreira empreendedora.

As instituições de ensino são peças chave no desenvolvimento do país, portanto devem estar mais abertas para oferecer apoio aos estudantes na forma de fomento, para abrir programas de incubadoras, e para proporcionar um maior direcionamento nas disciplinas desta área. De acordo dados divulgados no relatório Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras pela ENDEAVOR Brasil em parceria com a SEBRAE, apenas 38,78% das universidades brasileiras, oferecem incubadoras, e eventos para o preparo do empreendedorismo. Se isso fosse mais comum, as ideias inovadoras dos alunos seriam concretizadas na imagem de empreendedores, com conhecimento mais profundo de gestão de negócios.

Para clarear os olhos dos estudantes é preciso levar numa mesma relação de adição, o investimento financeiro, iniciativa das universidades, contato com o mercado, e a predisposição de assumir riscos. Obtendo como resultado alunos preparados não só para serem bons empregados, como também aptos a criar a própria empresa. Tornando os estudantes agentes transformadores da sociedade, capazes de impactar social, ambiental e economicamente a sociedade de forma completa e mútua. Refletindo com isso um país desenvolvido, liberto do comodismo.

Os estudantes podem buscar por si mesmo, dentro do ambiente institucional, desenvolver o seu lado empreendedor. Podem, por exemplo, se juntar a empresa júnior, onde aprenderão a trabalhar com metas. Além disso, os trabalhos de conclusão de curso são formas da teoria se ver aplicada, garantindo ao aluno uma oportunidade ali de empreender. Como se não bastasse, existem cursos disponibilizados pela internet no site da Massachusetts Institute of Technology (MIT) e da Harvard University que trazem conteúdo gratuito em empreendedorismo. A SEBRAE e a ENDEAVOR Brasil também oferecem total atenção aos alunos que pensam em empreender. Então, o aluno pode alcançar seus objetivos, sem depender inteiramente da universidade na qual está inserido.

Mesmo que o aluno não venha a desenvolver uma empresa própria, ele pode empregar os conceitos, ideias e estratégias aprendidas para gerir a própria vida de forma eficaz. Porque empreender também é gerir a si próprio, gerir os imprevistos, as incertezas, as expectativas, a ansiedade. Para isso, deve ocorrer, após o rompimento da barreira imposta pela política universitária, a colheita do que foi germinado desde o inicio da vida acadêmica de cada um dos estudantes.

Referências Bibliográficas:

– IMAGEM 1. Nipic Design. Disponível em <http://www.nipic.com/show/11499083.html>. [Acesso em 26/02/2017].
-REVISTA PEQUENAS EMPRESAS GRANDES NEGÓCIOS, 2015. Disponível em <http://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2015/05/harvard-e-mit-oferecem-cursos-gratuitos-de-empreendedorismo.html>. [Acesso em 24/02/2017].
-Endeavor Brasil, 2017. Dispoível em <https://endeavor.org.br/kit-de-educacao-empreendedora-para-2017-4-materiais-de-apoio-para-liderar-transformacoes-na-sua-universidade/>. [Acesso em 24/02/2017].
-SEBRAE, Empreendedorismo nas universidades brasileiras, 2016. Disponível em <https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Relatorio%20Endeavor%20impressao.pdf>. [Acesso em 24/02/2017].

Jéssyka Jennifer M. Corrêa (UFVJM – MG) e Mariana de Souza e Silva (Centro Universitário UNA – MG).
Trainees do setor acadêmico da empresa BetaEQ

Deixe aqui a sua opinião