AFINAL, O QUE É UMA EMPRESA SUSTENTÁVEL?

                                                                                         Fonte: LatuffCartoons

Comumente, a ciência do real conceito de sustentabilidade empresarial é obscurecida pelo chamado “marketing verde” que escancara benefícios ambientais, muitas vezes irreais, de seus produtos e serviços. Tudo isso gera descrença sobre a preocupação dos gestores e empreendedores quanto ao ambiente que nos cerca, gerando necessidade de esclarecimento sobre o que é ser uma empresa verdadeiramente sustentável.

O desenvolvimento sustentável se baseia no crescimento da empresa em dois aspectos simultâneos: o econômico e o ambiental. Isso significa que, uma empresa realmente sustentável é aquela que desempenha suas atividades cuidando bem do meio ambiente e obtendo boa margem de lucro, tudo ao mesmo tempo. Isso parece impossível, principalmente no mundo da indústria, não é? No mínimo, parece contraditório considerando que grande parte das atividades industriais subsiste da transformação de recursos naturais, renováveis ou não. Então, como aplicar corretamente o conceito de sustentabilidade no campo empresarial?

A primeira coisa a ser feita é abrir a mente para entender que cuidar do meio ambiente não é só plantar uma sementinha na terra. Existe um conjunto de práticas que, motivadas por uma cultura empresarial inteligente e consciente, contribuem para a construção do que chamamos de empresas sustentáveis. Essas práticas são adotadas compreendendo que cada atitude gera uma consequência em cadeia e afeta tudo o que nos rodeia.

Um exemplo de uma medida sustentável dentro de uma empresa é a adoção de uma cultura de valorização do colaborador. Respeitar as leis trabalhistas, promover igualdade de oportunidades, remuneração justa conforme o mercado e respeito ao trabalho terceirizado são exemplos de condutas que aparentemente só trazem benefícios dentro das quatro paredes da empresa. Entretanto, as consequências dessas medidas alcançam níveis que não se pode imaginar. O trabalhador que tem qualidade de vida, além de ser mais produtivo, relaciona-se de forma harmônica com a sociedade onde estão inseridos os consumidores e fornecedores da empresa em questão.

Outra medida sustentável em empresas é a agregação de valor ao produto. Esse valor agregado refere-se a um benefício que excede a necessidade do consumidor, como por exemplo, a produção de alimentos nutricionalmente enriquecidos ou com mínima concentração de conservantes, que além de alimentar o consumidor contribuirá com sua saúde; investimento em embalagens biodegradáveis, satisfazendo as necessidades do consumidor sem agredir o meio ambiente; e confecção de roupas mais anatômicas, cumprindo a missão de vestir e agregando qualidade de vida ao consumidor. Agregar valor ao produto garante retorno financeiro e ao mesmo tempo impacta beneficamente a vida do cliente, a sociedade e o meio ambiente.

Temos também os exemplos padrões de práticas quando se pensa em sustentabilidade empresarial: reaproveitamento de resíduos, uso consciente de recursos hídricos e energéticos, atendimento às legislações ambientais e normas de produto, investimento em pesquisa e desenvolvimento de projetos que visam à redução de custos a partir da eliminação de desperdícios, apoio voluntário a órgãos ambientais e sociais, práticas de saúde e segurança no trabalho, descarte correto de resíduos e utilização de fontes renováveis de energia. São infindas as possibilidades de se aplicar o conceito de sustentabilidade dentro de uma empresa.

Ao alcançar compreensão sobre a verdadeira sustentabilidade no âmbito empresarial, torna-se real a possibilidade de escolhas que contribuem para harmonia ambiental, seja você um consumidor, um fornecedor ou um colaborador. O espaço de alcance de uma organização não se limita às suas quatro paredes: uma empresa pode influenciar e ser influenciada pela sociedade e pelo espaço ambiental onde está inserida. A geração de ambientes sustentáveis está nas mãos de cada individuo, por isso faça escolhas conscientes a todo o momento!

Mariana de Souza e Silva

Deixe aqui a sua opinião