PROTEJA SUA SAÚDE FICANDO LONGE DOS CONSERVANTES

Com uma rotina cada vez mais corrida, as pessoas abrem mão de uma alimentação mais saudável, para obter praticidade no preparo das refeições.

Figura 1 [Fonte: Acervo da autora].

Assim como os livros de pesquisa têm perdido espaço para os sites de busca, os produtos naturais têm perdido para os industrializados. Nessa corrida contra o tempo, para dá conta de todas as tarefas, quem consegue tempo para ir à biblioteca, ou mesmo ter uma alimentação saudável, pode ser considerado um super-humano.

Embalagens que estampam as frases: “bastam poucos minutos no forno que o seu lanche está pronto”, “fica pronto apenas com a adição de água fervente”, ou “é só abrir e saborear”, são atrativas para, especialmente, estudantes que não sabem cozinhar ou que têm rotina puxada de estudos. Sem ter tempo para outras atividades, até mesmo sem tempo para se alimentar devidamente, optam por algo prático, barato que poupe o tempo, optam pelos produtos industrializados.

Contudo, com essa dieta regrada a produtos enlatados e de fácil preparo, a qualidade nutritiva dos alimentos fica comprometida, pois ao contrário dos alimentos “in natura” eles são pobres em fibras, sais e vitaminas e ricos em conservantes. Sendo assim, os alimentos industrializados promovem uma alimentação desequilibrada e de certa forma perigosa.

Os alimentos industrializados necessitam passar por diversos processos para que seja evitada a proliferação de micro-organismos, como secagem, pasteurização, salga e a adição de aditivos que controlem o ph, conservando o alimento. Mas esses conservantes, além de serem associados ao desenvolvimento de hipertensão, e aumento do nível de LDL (do inglês: Low Density Lipoproteins) e riscos de depressão, eles são convertidos no nosso organismo em substâncias cancerígenas.

Sempre que possível dê preferência aos alimentos naturais, produtos ricos em fibras, e com alto valor nutricional. Apesar da correria, leia os rótulos, para ter consciência do que você vai ingerir, e não coloque no seu carrinho de supermercado aqueles produtos que contêm conservantes e compostos artificiais.

Referências bibliográficas:

Sentir bem. 2013. Disponível em: < http://sentirbem.uol.com.br/index.php?modulo=artigos&tipo=1&id=1334 >. [Acesso em 16/04/2017].

A Engenharia dos Alimentos Seguros. 2012. Disponível em: <  https://aengenhariadosalimentos.wordpress.com/2012/07/31/alimentos-industrializados-vantagens-x-riscos/ >. [Acesso em 16/04/2017].

Jéssyka Jennifer Miranda Corrêa
Setor Acadêmico da BetaEQ, estudante da UFVJM.

Deixe aqui a sua opinião