MEJ – MOVIMENTO EMPRESA JÚNIOR

O Movimento Empresa Júnior está sendo cada vez mais difundido entre as universidades por trazer muitos benefícios à sociedade e aos próprios estudantes. Mas o que é isso? Quais as vantagens de uma experiência como essa? 

É cada dia mais comum ouvirmos falar em empresas juniores nas universidades mas, muitas vezes, pouco se sabe sobre isso. Muitos ainda tem uma visão muito limitada sobre esse tema, chegam a pensar que, por não ser algo remunerado, todo trabalho não tem sentido e é só perca de tempo. O retorno, apesar de não ser financeiro, é muito maior do que se pode imaginar antes de fazer parte do MEJ – Movimento Empresa Júnior. A história por trás do MEJ se confunde com a de muitos profissionais que um dia passaram pelo movimento e reconhecem a importância de tal experiência.

Em 1967, alunos da ESSEC – L’École Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales, em Paris, sentiram a necessidade de ter conhecimento das ferramentas utilizadas no mercado em que eles trabalhariam num futuro próximo. Assim, foi fundada a Junior ESSEC Conseil, uma associação de estudantes que colocaria em prática os conhecimentos acadêmicos com clientes do mercado. O conceito depois se espalhou entre as escolas de engenharia e administração da França, em seguida pelas escolas de comunicação, agronomia e outras universidades.

No Brasil, o movimento chegou em 1988 por iniciativa da Câmara de Comércio Brasil-França e daí surgem as primeiras empresas juniores: Empresa Júnior Fundação Getúlio Vargas (1988), Empresa JR ADM UFBA (1989), entre outras.

A Brasil Júnior (BJ) é a confederação brasileira de empresas juniores. Com 15 anos desde a sua fundação, a finalidade da instituição é propor e repassar diretrizes nacionais que devem ser adotadas pelas federações estaduais, de modo a regulamentar a atividade das empresas juniores em âmbito nacional e promove a integração dos empresários juniores de todo o país. Em todo Brasil existem as federações que tem por objetivo articular e difundir o movimento nas instituições de ensino, ficando responsável por representar os interesses das Empresas Juniores do Estado, junto aos órgãos públicos, sociedade e Brasil Júnior. Além disso, promove a integração entre as EJs, visando obter uma maior sinergia e alinhamento dos interesses.

A Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins econômicos, constituída e gerida exclusivamente por alunos de graduação de estabelecimentos de ensino superior, que presta serviços e desenvolve projetos para empresas, entidades e sociedade em geral, nas suas áreas de atuação, sob a orientação de professores e profissionais especializados. Dentre os objetivos das EJs estão: Proporcionar ao estudante aplicação prática de conhecimentos teóricos aprendidos nas IES, desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor do aluno, facilitar o ingresso de futuros profissionais no mercado, colocando-os em contato direto com o seu mercado de trabalho, contribuir com a sociedade, através de prestação de serviços, proporcionando ao micro, pequeno e médio empresário, especialmente, um trabalho de qualidade a preços acessíveis. Preços que são orçados abaixo do preço do mercado sênior por que EJs não tem o acúmulo de capital ou repassa esses recursos para seus integrantes como metas, todo dinheiro arrecadado é para custos com o serviço, manutenção e investimentos na empresa e nos alunos.

Segundo o Censo&Identidade da Brasil Júnior, as empresas juniores chegaram a movimentar cerca de R$11.000.000 no ano de 2013. Realizando 2700 projetos externos, com número total de clientes que procuraram as EJs igual a 8.537. São mais de 5150 empresários juniores divididos em cerca de 425 EJs por todo país entre empresas federadas e não federadas. E cada um desses números aumenta cada dia mais com a divulgação e a percepção da importância do MEJ para os alunos.

O MEJ exerce grande importância para a sociedade brasileira. Uma empresa júnior capacita as pessoas desde o período de graduação, mostrando como funciona o mercado de trabalho e os preparando desde cedo para trabalhar na área que foi escolhida para cursar o ensino superior, já que são realizados projetos nesse âmbito. Dessa forma, profissionais cada vez mais preparados são formados pois já tem um contato com o mercado desde cedo, adquirem experiência, desenvoltura e profissionalismo; além da experiência em gestão e o conhecimento de como funciona a parte jurídica de uma empresa de pequeno/médio porte. A ideia da Empresa Júnior não está baseada em lucros, pelo menos não em dinheiro, o objetivo é a experiência profissional. Logo, oferece serviços de qualidade a preços bem abaixo do mercado. O que é bastante propício a empresas que não possuem suporte financeiro para tais investimentos. Dessa forma, contribui para que microempresas e empresas de pequeno porte possam se manter no mercado com devido auxílio. Se os ideais do movimento forem levados a sério, cidadãos que pensam no futuro e no crescimento do país serão formados, visto que um dos objetivos do movimento é tornar o Brasil mais empreendedor.

Após o ingresso no movimento, além dos benefícios à sociedade e ao aluno que já foram citados, você se torna parte de algo maior, todos os números que foram vistos deixam de ser simples algarismos e passam a ser companheiros. Qualquer dúvida pode ser tirada com membros de outras EJs, sua rede de contatos aumenta; é percebido que todos estão empenhados em um único objetivo: tornar o MEJ brasileiro cada vez maior e fazer o Brasil crescer junto.

4

Com todo esse crescimento proporcionado, é óbvio que empresas tem um olhar diferenciado para os pós-juniores (como são chamados aqueles que fizeram parte do MEJ). Em setembro de 2015, houve uma roda de discussão com o responsável, no Nordeste, pelo departamento de RH da Ambev, na Universidade Federal de Alagoas, e isso foi deixado bem claro. Além de simplesmente falar, foi vista a prova disso: a sua equipe era formada por 4 pessoas, todas passaram pelo movimento e disseram o quão importante foi essa experiência para conseguir a vaga de trabalho e/ou estágio.

Dentro desse mundo de empresas juniores a engenharia química não fica para trás. Empresas como a Mult Jr. (Minas Gerais), NuTEQ (Rio Grande do Norte), PROTEQ Jr. (Alagoas), CONSEQ (Paraná), Prisma Jr. (Bahia), e outras realizam projetos como:

●     ETE (Estação de Tratamento de Efluentes);

●     Gestão de resíduos sólidos;

●     Elaboração de PPRA;

●     Elaboração de mapa de risco;

●     Desenvolvimento e melhoria de produtos;

●     Otimização de processos;

●     Avaliação e Desenvolvimento de Layout;

●     Dimensionamento de Equipamentos;

●     EVTE (Estudo de Viabilidade Técnico e Econômico);

●     Neutralização de Carbono; e outros mais.

Fica claro como essa experiência pode ser enriquecedora. Entre todos os estudantes universitários, há os que vão além do padrão, esses são os que estão nas empresas juniores e desenvolvem projetos ousados, tornam-se fortes líderes estudantis e assumem responsabilidades com a faculdade. São jovens especiais, com forte personalidade direcionada para uma inovação empreendedora. São alunos que não se contentam somente com o ensino acadêmico, vão atrás de coisas novas e atividades que complementam sua bagagem social e acadêmica.

Sites das empresas citadas: proteqjr.com.br; conseqconsultoria.com.br; prismajr.blogspot.com.br; multjr.com.br; nuteq.ct.ufrn.br.

Referências:

Censo&Identidade 2014 – BJ. Acesso em: 17/09/15.

Indefinido. Empresa Júnior. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Empresa_júnior>. Acesso em: 17/09/15.

FEJEPAR. MEJ – Movimento Empresa Júnior. Disponível em: <http://www.fejepar.org.br/mej>. Acesso em: 17/09/15.

-PINHEIRO, Vinícius. Benefícios da implantação de uma empresa júnior. Disponível em: <http://betaeq.blogspot.com.br/2013/06/beneficios-da-implantacao-de-uma.html>. Acesso em: 17/09/15.

-PROTEQ Jr. O que são EJs?. Disponível em: <http://www.proteqjr.com.br/p/o-que-sao-ejs.html>. Acesso em: 17/09/15.

IMAGEM 1: Ser Júnior no Brasil. Disponível em: <https://cippal.agro.ufg.br/p/6492-mej-movimento-empresa-junior>. Acesso em: 17/09/15.

IMAGEM 2: Brasil Júnior. Disponível em: <http://www.adeconconsultoria.com.br/mej>. Acesso em: 17/09/15.

IMAGEM 3: Universitário/Empreendedor. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/HectorMuniz1/apresentao-riojunior-palestra-trainee-completa>. Acesso em: 17/09/15.

IMAGEM 4: União. Disponível em: <http://maisconsultoria.com.br/site/>. Acesso em: 17/09/15.

Autor: Alesson Gomes (UFAL)

Assessora de conteúdo: Thaís Silva Teodoro