GOVERNO ANUNCIA CORTE DE 20% DAS BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Um quinto das bolsas de iniciação científica foram cortadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) por causa do “contexto orçamentário atual”, segundo comunicado do próprio órgão.

“Considerando o contexto orçamentário atual e a indicação para 2017 de redução do orçamento do CNPq para o próximo ano, foi necessária a adequação da concessão de bolsas da Agência ao novo cenário”, informou o CNPq.

As bolsas de iniciação científica oferecem aos estudantes um valor mensal de R$ 400 e servem como o primeiro passo na vida acadêmica dos pesquisadores. Segundo professores, a diminuição pode prejudicar a realização de projetos.

145

Leia a íntegra da nota do CNPq sobre o corte nas bolsas de IC:

“Considerando o contexto orçamentário atual e a indicação para 2017 de redução do orçamento do CNPq para o próximo ano, foi necessária a adequação da concessão de bolsas da Agência ao novo cenário.

Dessa forma, o resultado do julgamento de seleção das propostas para concessão de bolsas, no âmbito dos Programas de Iniciação Científica (IC), divulgado em primeiro de agosto reflete adequação de 20% a menos em relação ao período anterior.

A aplicação dessa porcentagem foi feita a partir da distribuição inicial de cotas às instituições, definida por critérios qualitativos, estabelecidos nas respectivas Chamadas Públicas dos Programas de IC. Com base nessa primeira distribuição, realizada pelos respectivos Comitês de Julgamento, foi aplicada a adequação ao orçamento.

Havendo incremento orçamentário, bolsas adicionais poderão ser concedidas.”

Ainda, anteontem, surgiu a notícia de que os recursos destinados às Universidades Federais previstos na Lei Anual Orçamentária de 2017 devem ser cerca de 31% inferiores ao previsto este ano.

A estimativa é de que haja uma redução de 45% para os investimentos nas instituições e de 20% para o custeio, que é a quantia destinada para pagar salários e manutenção do Ensino Superior.

A informação foi divulgada esta semana para a Associação Nacional dos Dirigentes das Universidades Federais (Andifes). A entidade defende um aumento de recursos de 2,5% acima da inflação. A presidente da Andifes, Angela Paiva Cruz, que é reitora da Federal do Rio Grande do Norte, ressalta que programas das universidades podem ser prejudicados.
1-0O Ministério da Educação (MEC), em nota, informou que a previsão do orçamento do próximo ano é igual ao valor que será gasto neste ano, ou seja, cerca de R$ 6,7 bilhões. A diferença, segundo o MEC, é que parte dos recursos para as Universidades Federais foi contingenciada pelo governo, e cerca de 30% do previsto para 2016 não deve ser gasto. O Ministério informou ainda que vai gastar todo o valor destinado para o próximo ano.

O membro da Comissão do Orçamento da Andifes, reitor da Universidade Federal de Alfenas, em Minas Gerais, Paulo Márcio de Faria e Silva, lamenta a redução na previsão para o orçamento do Ensino Superior e teme novos contingenciamentos em 2017.

A Andifes, associação que reúne os reitores dos Institutos de Ensino Superior do Brasil, diz que vai trabalhar para tentar reverter a previsão do orçamento para a área em 2017, inclusive atuando no Congresso Nacional.

Fonte:

http://g1.globo.com/educacao/noticia/governo-anuncia-corte-de-20-das-bolsas-de-iniciacao-cientifica.ghtml?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

http://radioagencianacional.ebc.com.br/educacao/audio/2016-08/universidades-federais-podem-ter-reducao-de-45-em-recursos-para-investimentos