ENGENHEIRO QUÍMICO FAZ VERSÃO DE NUTELLA MENOS DOCE COM CASTANHA-DO-PARÁ

O creme italiano de avelãs, cacau e leite ganhou uma versão paraense. Com castanha-do-pará e chocolate da região, Fabio Sicilia faz o preparo da “Castella”.

Bem menos doce do que a Nutella, tem microgrãos de castanha “necessários para manter a integridade do sabor”, diz Sicilia. Sem aditivos ou conservantes (nem outros óleos vegetais que barateiam a receita) tem durabilidade de 90 dias. Vai bem em tapiocas e bolos, por exemplo.

16267157

O pote (R$ 49 o de 200 g ou R$ 69 o de 400 g) pode ser encomendado no site da marca: gaudens.com.

Fabio Sicilia é engenheiro químico, mas estudou cozinha no Piemonte. Em Belém do Pará, começou a produção de chocolates, com ingredientes locais, e desenvolveu a “Castella”. Sicilia, que usa as castanhas descascadas, inteiras, levemente tostadas, e produz oito quilos do creme por dia.

irmaos_sicilia2

Os irmãos Fabio e Angela Sicilia são os proprietários do restaurante Famiglia Sicilia.

No restaurante da família, Famiglia Sicilia, serve sobremesas com o doce, que quase não leva açúcar. “A doçura vem da castanha”, diz.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2016/09/1816171-nutella-brasileira-e-feita-de-castanha-do-para.shtml