COMO INCENTIVAR O EMPREENDEDORISMO NAS UNIVERSIDADES

Os novos tempos estão exigindo novas posturas, principalmente se tratando de economia e mercado de trabalho; e o empreendedorismo é uma alternativa para pessoas dispostas a inovar e aliar suas habilidades e conhecimentos à tecnologia e aos meios de comunicação. Portanto por que não estimular o empreendedorismo logo na universidade? (SEBRAE, 2016)

 

Acredite! A maior parte dos alunos querem mais do que é ofertado pelas Universidades. O que falta não é interesse e sim um estímulo maior no caminho do empreendedorismo. O desenvolvimento do país está intimamente relacionado com a abertura de negócios inovadores. Logo, o empreendedorismo é essencial para esse crescimento. Principalmente no atual cenário em que o País se encontra, é mais do que necessário que as instituições de ensino abram espaço e auxiliem nesse quesito que é uma grande oportunidade para os jovens e consequentemente para a economia como um todo. (ENDEAVOR, 2016)

Para mudar esse cenário da falta de incentivo por parte das Universidades, existem algumas sugestões que podem fazer a diferença. Primeiramente deve-se ter em mente e democratizar a informação de que empreender vai muito além de abrir um negócio, e está muito mais relacionado à atitude de resolver problemas, em outras palavras, ao conceito de inovação. Muitas vezes, não é necessário um investimento gigantesco para começar a empreender, basta saber aproveitar as oportunidades. Se quiserem um exemplo, o Airbnb começou com dois universitários sem dinheiro que decidiram alugar um espaço na sala deles. A cidade estava lotada naquele final de semana por causa de um evento e muitas pessoas não conseguiram lugar para ficar. E foi assim que tudo começou. Por isso, cabe às Universidades aumentarem a acessibilidade ao que é “empreender”.

Ainda em escala de sala de aula, é possível incentivar o empreendedorismo, através de projetos inovadores. Para algumas disciplinas, é possível tornar a avaliação um trabalho em grupo cujo objetivo seja trabalhar em projeto que traga alguma inovação naquele assunto ou que, pelo menos esteja relacionado a entender o que está sendo feito e buscado pelo mercado, isto é, entender para onde está caminhando a inovação em determinada área. Entender o que já está sendo feito de novo e o estado de maturidade de cada inovação no mercado é meio caminho andado para ganhar inspiração e fazer algo diferente. Esse novo modelo de avaliação, além de engajar mais os alunos, torna-os mais próximos do que eles encontrarão no mercado de trabalho e fará com que desenvolvam as famosas competências exigidas para quem quer empreender, tais como aprender a trabalhar em equipe, aprender a lidar com as diferenças, trabalhar sob pressão, viver desafios e a aplicar o conhecimento técnico em algo prático.

Mais amplamente, é importante, ainda, que a universidade divulgue oportunidades para quem quer tirar suas ideias do papel. Muitas dessas oportunidades não são conhecidas pelos alunos. Por exemplo, no Portal da Indústria (Clique AQUI) é possível encontrar projetos em aberto para jovens de diversas áreas de conhecimento. É possível filtrar por área de conhecimento e também por titulação (existem projetos para quem ainda está na graduação, para graduados e para mestres). O Portal tem sempre projetos novos sendo lançados.

Existem, ainda, muitos outros desafios oferecidos por empresas, muitos dos quais são oferecidos anualmente. Muitos desses desafios estão baseados na ideia de empreendedorismo e inovação. Em alguns deles, os alunos trabalham tentando resolver um problema da empresa, como, por exemplo, melhorar as vendas de determinado produto. É o caso do Desafio L’OrealBrandstorm: (Clique AQUI).

Já em outros casos, como o Prêmio Odebrecht para o Desenvolvimento Sustentável o desafio é ainda maior, baseando-se na proposição de uma inovação de um determinado segmento, utilizando conhecimentos de Engenharia, Logística etc. (Clique AQUI).

Além de incentivar o empreendedorismo dentro da sala de aula e a participação nesses desafios e projetos, uma ideia interessante seria criar uma “Jornada do Empreendedor”, na qual a instituição ofereceria workshops de empreendedorismo e inovação. Na primeira fase dos workshops, os alunos receberiam um treinamento com informações introdutórias de como inovar, e aprenderiam sobre temas importantes como gestão e escala. Na segunda fase, seria hora de colocar a mão na massa e trabalhar em grupos aplicando os conceitos que aprenderam na primeira fase do workshop.

Para esses workshops, uma grande inspiração para os alunos, uma possibilidade seria trazer jovens empreendedores, que montaram seu negócio ainda na universidade, ou logo depois dela. A ideia é o aumento da interação entre a universidade e o mercado, criando parcerias que permitam a aplicação do conhecimento fornecido aos estudantes e trazendo exemplos reais, com a realização de debates com mentores do mercado para aumentar as possibilidades de novos negócios e aprendizado. (LAM, 2014)

O incentivo e o suporte a ideias e projetos a serem implementados na própria universidade também são outra proposta bastante interessante. Na Universidade Federal do Rio de Janeiro, alunos da Escola de Química, preocupados com a falta de experiência prática e conhecimento de equipamentos pelos alunos durante o curso, juntaram-se para reformar equipamentos em escala piloto que haviam sido destruídos após um incêndio e que nunca foram reformados. A ideia é reformar tais equipamentos e voltar a utilizá-los nas aulas práticas, ao invés de utilizar apenas equipamentos de laboratório. Os fundadores do projeto buscaram auxílio junto a alguns professores, que prontamente se engajaram. O projeto cresceu e hoje tem até processo seletivo para quem quer participar. Além de deixar um legado para a universidade, os alunos envolvidos no projeto também podem aplicar na prática tudo o que aprenderam em sala de aula e também muitas coisas que não são ensinadas na teoria, mas que são aprendidas com tentativa e erro. Esse tipo de projeto, feito dentro da própria universidade e partindo dos próprios alunos é uma grande fonte de inspiração para todos aqueles que querem tirar suas ideias do papel e não sabem por onde começar. O apoio dos professores, por sua vez, não só dá maior credibilidade ao projeto como também é importante porque eles acabam funcionando como mentores, dividindo suas experiências.

Como podemos ver, existem diversas formas de a universidade estimular o empreendedorismo e pequenas práticas que começam dentro da sala de aula podem fazer a diferença. A ideia é modificar um pouco o modelo de ensino engessado e trazer um modelo mais participativo, em que os alunos começam a adquirir os conhecimentos não-técnicos, que são muito importantes não só para quem quer empreender, mas também para quem quer se colocar no mercado de trabalho, pois, hoje em dia, a maior parte das empresas trabalha em cima de inovação e solução de problemas. Por isso, incentivar o empreendedorismo nas universidades, não é importante apenas para quem quer abrir o próprio negócio. Incentivar o empreendedorismo significa abrir os horizontes de todos os alunos, tornando-os mais preparados para os desafios da carreira, independentemente daquilo que desejem seguir.

 

Referências Bibliográficas:

ENDEAVOR,BRASIL. Como incentivar o empreendedorismo nas Universidades, 2016.Disponível em <https://endeavor.org.br/como-incentivar-o-empreendedorismo-nas-universidades/>. [Acesso em 22 fev2017;10:33].

INOVA TALENTOS. Disponível em:<http://www.portaldaindustria.com.br/inovatalentos/acessar/projeto/procurar/?uf_vaga=&setor=&modalidade=3> [Acesso em 22 fev 2017].

LAM.C. 6 Formas de incentivar o empreendedorismo nas Universidades. 2014. Disponível em:<http://exame.abril.com.br/pme/6-formas-de-incentivar-o-empreendedorismo-nas-universidades/> [Acesso em 21 fev 2017; 10:50].

L’OREAL BRANDSTORM. Disponível em:<http://brandstorm.loreal.com/en/challenges/play-experiment-innovate. [Acesso em 22 fev, 2017]

PRÊMIO ODEBRECHT PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Disponível em: http://www.premioodebrecht.com/brasil/objetivos-premio-odebrecht-para-o-desenvolvimento-sustentavel# [Acesso em 22 fev, 2017].

SEBRAE. O Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras. 2016. Disponível em: <https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-empreendedorismo-nas-universidades-brasileiras,6ad3352450608510VgnVCM1000004c00210aRCRD>.[Acesso em 21 fev.2017; 10:08].

IMAGEM 1: Universidade participa de semana global do Empreendedorismo. Disponível em <http://www.unesc.net/portal/blog/ver/213/32562>. [Acesso em 21.fev.2017].

 

Carla Cristina Araújo Parreira (Centro Universitário UNA) e Clarissa Alves Biscainho (IFP School)

Trainnes do setor acadêmico da empresa BetaEQ