TOUCHSCREEN: A ENGENHARIA QUÍMICA ONDE MENOS SE ESPERA

Vocês devem estar se perguntando: O que a tecnologia touch tem a ver com a Engenharia Química? Nossa querida EQ não age sozinha mas tem participação!

Como se sabe, além de ajudar a entender fenômenos do dia a dia, a engenharia química também tem contribuição para elaboração de novos e modernos materiais, otimizando a fabricação de aeronaves, a construção de edifícios, auxiliando no avanço de tecnologias portáteis, entre outros. A pesquisa na área de materiais permite a descoberta de novas formas de uso para produtos que sempre existiram, como o vidro, e que aumentou muito suas aplicações quando começou a ser sensível ao toque. É incrível como um material que era aplicado como algumas restrições, atualmente consegue receber comandos através de um toque! Pense o quanto o tão popularmente conhecido e utilizado touchscreen é fantástico! Talvez se não houvesse profissionais destinados a pesquisarem sobre os novos materiais, ainda estaríamos nas telas rígidas com a funcionalidade relacionada aos botões (LYRA,2013).

O vidro sensível ao toque é um display eletrônico visual que “interage” com o humano detectando a presença em sua área de exibição. Esse fenômeno ocorre de acordo com diferentes tecnologias e as principais são: resistiva, capacitiva e ondas acústicas.

A tela resistiva é a tela em que o vidro recebe a tensão criada pelo toque. Ela é construída através de associação de materiais, geralmente, vidro, metal e poliéster e é elaborada a partir de empilhamento de camadas, sendo duas camadas de material condutor separadas por um material isolante. Quando a tela é tocada, as películas condutoras entram em contato, fazendo fluir uma corrente elétrica e as coordenadas do toque são transmitidas para o sistema de acordo com a sua resolução definida através de inteligência computacional. É a tecnologia mais simples e a mais econômica do mercado.

Nas telas capacitivas ocorre um acúmulo de carga na placa de vidro. Ela funciona a partir de uma camada carregada de eletricidade, conhecida como camada capacitiva. Ao se tocar na tela, parte desses elétrons é transmitida para o dedo, como se fosse um pequeno choque, mas muito leve a ponto de não se perceber. O computador então entende essa pequena descarga de eletricidade naquele ponto e calcula as coordenadas, que então são traduzidas como um comando para a tela do computador.

Outra tecnologia é a de ondas acústicas que é considerada a melhor tecnologia para as telas de vidro. Diferentemente das outras tecnologias, ela não posiciona nenhuma placa metálica sobre o monitor. Ao invés disso, são posicionados dois transdutores de cada lado da tela, um receptor e um transmissor, tanto dos lados quanto na parte superior e inferior, fechando um quadrado. O transdutor transmissor manda uma pequena onda que é percebida pelo transdutor receptor. Essas informações formam então uma grade de coordenadas. Quando algo toca na tela, os receptores percebem uma interrupção no envio das informações e informam automaticamente a coordenada do toque, traduzindo isso como um comando na tela (ASSIS,2009).

A partir do exposto, percebe-se cada vez mais o quanto o estudo de novos materiais vem mudando a vida de todas as pessoas.

Referências Bibliográficas:

LYRA.G. Química contribui na construção civil com a engenharia de materiais. 2013. Disponível em http://g1.globo.com/pernambuco/vestibular-e-educacao/noticia/2013/10/quimica-contribui-na-construcao-civil-com-engenharia-dos-materiais.html .Acesso em 21.jul.2017.

ASSIS.P. Como funcionam as telas sensíveis ao toque? 2009. Disponível em https://www.tecmundo.com.br/projetor/2449-como-funcionam-as-telas-sensiveis-ao-toque-touch-screen-.htm . Acesso m 21.jul.2017.

IMAGEM 1: Um pouco sobre a tecnologia touchscreen. Disponível em http://brtouch.com.br/blog/?p=403 .

Carla Cristina Araújo Parreira
Assessora do Setor Acadêmico da BetaEQ, estudante do Centro Universitário UNA.

Deixe aqui a sua opinião