SOLVENTES VERDES

Solventes são insumos necessários para o desempenho de diversas atividades, e portanto também devem ser considerados quando se tem o objetivo de implementar processos sustentáveis.    

Quando o assunto é prática sustentável o que você imagina? Muitas vezes associa-se esta prática ao emprego de matérias-primas renováveis e a destinação adequada de resíduos, seja através de reciclagem, ou pelo emprego de técnicas de reuso. Contudo, existem outras medidas que podem ser adotadas em prol da sustentabilidade.

Solventes orgânicos são produtos químicos essenciais e com aplicações em diversos setores industriais, assim como em atividades laboratoriais merecendo, portanto atenção. Os solventes são utilizados para promover a dispersão e diluição da fase sólida no meio; para realizar o transporte de massa e energia; e para estabilizar espécies químicas. Os principais solventes orgânicos utilizados são os hidrocarbonetos, oxigenados, halogenados, nitrogenados e sulfurados.

Grande parcela destes solventes são tóxicos e/ou voláteis, podendo causar impactos ao meio ambiente e a saúde humana.  O transporte deste material apresenta riscos, os funcionários que trabalham em contato com este solvente também estão sujeitos a perigos, existe ainda a possibilidade de incêndio nas plantas industriais, o agravamento da poluição atmosférica, e a emissão de gases de efeito estufa.

Os solventes verdes são uma alternativa viável para substituírem os solventes orgânicos e minimizarem os impactos socioambientais, quando é possível correlaciona-los com os aspectos econômicos, fator essencial para o desempenho de qualquer atividade industrial.

A indústria farmacêutica demanda grande quantidade de solvente para processos de purificação, extração e recristalização, e tem adotado solventes verdes, como o 2-metiltetrahidrofurano (MeTHF) em substituição aos derivados de combustíveis fósseis.

Outra opção de solvente são os fluidos supercríticos, que possuem aplicações na indústria alimentícia e farmacêutica, que tem utilizado solvente supercrítico de CO para substituir solventes clorados. Este solvente é empregado para a descafeinação de grãos de café, por exemplo.

A Oxiteno desenvolveu uma linha de solventes, segundo os princípios da sustentabilidade, utilizando matéria-prima renovável para a produção dos seguintes solventes: acetato de sec-butila e acetato de isopentila, isopentanol e isobutanol, a partir de processos de fermentação de açúcares. A Rhodia desenvolveu uma linha de solventes a partir de fontes renováveis, derivado da glicerina, destinado a aplicações no setor de tintas e vernizes.

Portanto, quando uma empresa, ou um pesquisador tem a finalidade de desenvolver um processo mais sustentável, deve-se analisar não apenas a matéria-prima e os rejeitos, mas também os demais insumos, como os solventes, já que o emprego de solventes provenientes de fontes fósseis podem acarretar impactos ambientais e sociais, que tornam o processo não sustentável.

Referências Bibliográficas:

Química Verde – Solventes “verdes”. Disponível em: < http://quimicaverdeinfo.blogspot.com.br/2012/10/solventes-verdes.html>. Acesso em 29. jul. 2017.

Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas. Dôssie Técnico – A química verde. Disponível em: <http://www.respostatecnica.org.br/dossie-tecnico/downloadsDT/Mjc2NTI=>. Acesso em 29. jul. 2017.

Química.com.br. Solventes – Alternativas verdes se consolidam no mercado de tintas. Disponível em: <http://www.quimica.com.br/solventes-alternativas-verdes-se-consolidam-no-mercado-de-tintas/2/>. Acesso em 30. jul. 2017.

Imagem 1: Vantagens dos Solventes Ecológicos. Disponível em <http://www.manutencaoesuprimentos.com.br/conteudo/6514-vantagens-dos-solventes-ecologicos/>. Acesso em 29. jul. 2017.

Juliana Targueta
Assessora do Setor Acadêmico da BetaEQ. Mestranda na UFRJ.

Deixe aqui a sua opinião