SECAGEM INDUSTRIAL

A operação de secagem é uma das mais antigas e comuns no meio industrial, ao mesmo tempo em que é complexa, uma vez que envolve a simultânea transferência de calor e massa.

Figura 1 – Torre de Secagem Spray Dryer para Leite e Soro [Fonte: Tecnologias Nata].

 A secagem promove o acabamento final dos produtos e auxilia o equilíbrio da umidade dos diversos materiais processados com o ar ambiente, como é o caso do couro, da celulose, da madeiras, dos plásticos, das borrachas, entre outros. Além disso, a secagem melhora a conservação dos alimentos e dos materiais perecíveis. A seguir são apresentados situações na indústria onde essa operação unitária é empregada.

Esta operação possui grande importância para os produtos agrícolas, devido ao fato de que os grãos e sementes são produtos higroscópicos (eles tendem a repassar ou receber vapor d’água do ar que os circunvizinham), e a sua armazenagem e conservação requerem a matéria seca. Logo, esta operação é aplicada para reduzir o teor de umidade desse tipo de produto e driblar o seu processo de deterioração.

Os produtos farmacêuticos, complementos nutricionais e produtos similares também devem passar pelo processo de secagem, muitos são materiais higroscópicos como pós e granulados. Assim, na fabricação de tais cápsulas e comprimidos, qualquer umidade descontrolada tende a desencadear muitos problemas como a alteração da durabilidade dos produtos, redução da qualidade do produto e do revestimento, desenvolvimento bacteriano, alteração no volume no peso dos produtos, alterações no desempenho das substâncias ativas, entre outros.

Com a secagem por nebulização (“spray drying”) são obtidos produtos como o leite, o sabão em pó, e o café. Na pós-colheita do café, por exemplo, esta operação é uma etapa crítica já que esta atribui qualidades desejáveis no produto final. Bastante versátil esse processo elimina as etapas posteriores de moagem, e o tempo de residência dos produtos nos equipamentos é reduzido. Essa modalidade de secagem é empregada em materiais que apresentam sensibilidade ao calor, como os materiais de origem biológica (produtos com leveduras, enzimas, proteínas).

Na construção civil esta operação é realizada na argila com a finalidade de produzir revestimentos cerâmicos, e também realizada na madeira empregada neste setor. Além disso, madeiras empregadas na confecção de móveis (indústria moveleira) também passam por essa operação unitária, com isso reduzem o peso, aumenta a resistência aos fungos, ao apodrecimento, a flexão e compressão.

Mesmo que descrição matemática de fenômenos que envolvam a simultânea transferência de calor e massa seja ainda muito complexa e deficiente, foi a intensa observação experimental e operacional que fez a secagem ser tão presente nos diversos segmentos industriais.

 

Referências Bibliográficas:

-AGEITEC. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Disponível em: < http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/tecnologia_de_alimentos/arvore/CONT000fid5sgie02wyiv80z4s473tokdiw5.html>. [Acesso em 17/08/2017].

-ALBUQUERQUE, Carlos Eduardo Camargo. Importância da secagem da madeira à temperatura ambiente, na industria madeireira. Floresta e Ambiente. 1995, p. 78-80.

-CAFÉ POINT. Disponível em: <https://www.cafepoint.com.br/radares-tecnicos/poscolheita/cuidados-necessarios-na-secagem-para-a-obtencao-de-cafe-de-qualidade-30583n.aspx>. [Acesso em 17/08/2017].

-COTES.COM. Disponível em: <https://cotes.com/pt-br/industrias/producao-farmaceutica/>. [Acesso em 17/08/2017].

-COSTA, Ennio Cruz. Secagem Industrial. São Paulo. Ed. Blucher. 2007.

-SILVA, Luís César. Secagem de Grãos. Alegre – ES. Revista Grãos Brasil: Da Semente ao Consumo, Ano III, no XIV, Maio de 2004, p. 10 -14.

-LAB MAQ DO BRASIL.Disponível em: <http://www.labmaqdobrasil.com.br/spray_info.htm>. [Acesso em 17/08/2017].

-MESSIAS, Laiete Soto. MOTTA, José Francisco Marciano. BRITO, Hudson Barreto. Estudo de Alternativas de Cogeração Aplicado a Secagem de Argila para Fabricação de Revestimentos Cerâmicos por Via Seca. São Paulo – SP. Cerâmica Industrial, 15 (3) Maio/Junho, 2010, p. 24-30.

-TECNOLOGIAS NATA.  <http://concentradores.16mb.com/v1/portfolio/torre-de-secagem-spray-dryer-para-leite-e-soro/>. [Acesso em  18/08/2017].

Jéssyka Jennifer Miranda Corrêa

Assessora do Setor Acadêmico da BetaEQ, estudante da UFVJM

 

Deixe aqui a sua opinião