PROJETO PURIFICA ÁGUA CONTAMINADA ATRAVÉS DE OZÔNIO

Pesquisadores descobriram maneira de recuperar a água em um processo relativamente rápido.

Criciúma e os municípios da redondeza sofrem com um problema ambiental em decorrência da mineração de carvão, atividade que há anos é executada. A água contaminada fica ácida para a sobrevivência dos peixes e o uso dela para a agricultura também fica inviável.

A boa notícia é que foi comprovada a possibilidade de recuperar a água com muita acidez e contaminada por metais pesados em área de mineração. Pesquisadores descobriram um grande aliado para auxiliar nesta recuperação. ” O processo consiste em injetar o ozônio na água, para oxidação química dos metais presentes. O ozônio é um gás gerado a partir do ar. Uma vez em contato com a água contaminada, ele oxida os metais e estes tornam-se insolúveis, possíveis de serem retirados via filtração”, explica o engenheiro Químico, professor e mestrando em Química pela UFSC, Thauan Gomes, que faz parte do projeto.

Para a água ficar limpa, o professor explica que o processo é relativamente rápido sendo implementada a limpeza da água de maneira contínua. “Obviamente, grandes quantidades de água requerem quantidades maiores de ozônio e consequentemente equipamentos de filtração maiores”, explica.

O projeto surgiu, ainda segundo o professor, da necessidade em comum de duas regiões brasileiras afetadas pela atividade de mineração: Criciúma-SC e Caldas-MG. “A oxidação de metais por meio da utilização do ozônio já é conhecida. Então o desafio foi efetuar o processo de maneira sustentável economicamente. Os primeiros testes foram realizados na USP, onde se constatou a viabilidade da recuperação de águas contaminadas. Posteriormente o projeto foi escrito e contemplado pelo FUNTEC-BNDES”, relata.

Participe da V Semana Brasileira de Engenharia Química, evento 100% virtual da BetaEQ. Inscrições abertas! Saiba mais em: betaeq.com.br/semanabrasileira

Este projeto foi encerrado em 2016. “Participaram profissionais de diferentes áreas. As instituições envolvidas foram: USP (IPEN), UFSC, INB, UNESC e a empresa Brasil Ozônio. O projeto teve a duração de três anos”, ressalta Gomes.

Recuperação da água contaminada

O professor ainda explica que atualmente  há duas estações de tratamento em escala piloto em Criciúma. “No momento está sendo desenvolvido o modelo de negócio para venda da tecnologia. Em Minas Gerais, o tratamento está implementado nas Indústrias Nucleares do Brasil-INB. O projeto gerou duas patentes para tratamento de águas oriundas da mineração. Os próximos passos consistem em concretizar negócios com mineradoras”.

Descoberta importante para a sociedade

Tratar a água contaminada é um grande avanço. “É fundamental que se pesquise em sustentabilidade, pois apesar dos impactos causados pela exploração de minérios, sempre é necessário a utilização dos recursos minerais. A questão chave é minimizar os efeitos negativos na área ambiental, promovendo qualidade do ambiente de vida”, finaliza.

Fonte: https://www.revistaw3.com.br/noticias/2017/09/01/projeto-purifica-agua-contaminada-atraves-de-ozonio.html

Deixe aqui a sua opinião