TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS

A legislação brasileira é muito rigorosa com as indústrias no que diz respeito à responsabilidade ambiental e o tratamento de efluentes da produção industrial. Não é para menos: as indústrias são os maiores poluentes do País e despejam, anualmente, milhares de toneladas de rejeitos tóxicos nas águas de rios e córregos, além de atingir também lençóis freáticos.

Tudo isso prejudica seriamente a qualidade da água que será captada em outros pontos para tratamento e distribuição, bem como a qualidade de vida da população trazendo uma infinidade de doenças de veiculação hídrica. Esses problemas podem ser resolvidos em grande parte com o tratamento correto dos efluentes industriais.

Estação de tratamento de efluentes

Fonte: Safe

Efluentes são os resíduos líquidos e gasosos provenientes da produção industrial. Os líquidos e gases utilizados na produção são contaminados por tóxicos (metais, químicos etc.) e necessitam de tratamento antes de serem descartados no corpo receptor.

Há várias formas de tratar os efluentes industriais. Os processos de tratamentos são basicamente três: físicos, biológicos e químicos. Os processos físicos são os que separam os sólidos por decantação, gradação, peneiramento, filtração, entre outros.

Já os processos biológicos tem o objetivo de separar os sólidos e removê-los por uma aceleração dos processos da natureza (decantação ou flotação, por exemplo), usando de organismos biológicos para isso.

Tratamento biológico na Estação de tratamento de esgotos (ETE)

Fonte: Tera

Os processos químicos, por fim, são os que se utilizam de agentes de coagulação, neutralização de pH, oxidação ou floculação, entre outros, para agilizar o tratamento. Esse processo consegue remover os tóxicos por reações químicas, além de condicionar a mistura de efluentes que será tratada nos processos posteriores.

A concepção das estações de tratamento e as tecnologias empregadas no processo, visando a adequação do efluente tratado para descarte no corpo receptor ou reutilização devem ser realizados com muita base técnica de conhecimento, para que o investimento não seja em vão.

 Não é raro encontrar estações de tratamento inoperantes ou ineficientes, pela falta de profissionalismo e falta de conhecimento técnico e experiência de quem as dimensionou ou implantou. Atualmente existem tecnologias apropriadas para o tratamento de efluentes, é fundamental saber projetá-las.

Tecnologias no tratamento de efluentes

Fonte: Portal tratamento de água

São diversas as tecnologias para tratamento de efluentes, sendo possível classificá-las em grupos distintos: sistemas passivos e intensivos, biológicos ou físico-químicos, compactos ou extensivos, naturais ou mecanizados são algumas das divisões possíveis. Em termos qualitativos podemos afirmar que todas elas são adequadas ao tratamento de efluentes, não sendo passível segregá-las entre “boas” e “más”. A melhor tecnologia de tratamento será aquela que melhor compatibilizar-se com os condicionantes e critérios do contexto socioambiental, técnico e econômico de aplicação.

Autoria de: Renildo Júnior de Sousa Alves
Estudante de engenharia química do CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS (UNIPAM) – Patos de Minas