PROCESSO DE PRODUÇÃO DE TINTAS

As tintas estão por todos os lugares das paredes domiciliares às grandes construções. Entretanto, elas não são utilizadas apenas de maneira estética, também se fazem presentes onde a finalidade é proteção.

A indústria de recobrimento é antiga. Na antiguidade, o homem usava argila e vegetais que tinham pigmentos desejados. Por exemplo, o ocre e o vermelho procediam das argilas. Como aglutinante, utilizavam-se gorduras ou sangue de animais.

Cor Ocre

A ação do intemperismo sobre os materiais causa danos indesejáveis à economia e até à segurança em toda parte. Materiais como o metal, sem o recobrimento apropriado, são mais suscetíveis à deterioração. Desta maneira, as tintas são usadas como recobrimento superficial para proteger o material, evitar prejuízos e danos pessoais que podem ser irreparáveis.

A Tinta é uma composição química formada pela dispersão de pigmentos numa solução ou emulsão de um ou mais polímeros, que, ao ser aplicada na forma de uma película fina sobre uma superfície, se transforma num revestimento a ela aderente com a finalidade de colorir, proteger e embelezar. Quando a composição não contém pigmentos, é denominada verniz.

Tintas

De acordo com a superfície na qual vai ser aplicada, a pintura tem finalidades diferentes, como: alvenaria, madeira, metal ferroso – aço-carbono, metal não ferroso.

Componentes básicos

As tintas são compostas basicamente por:

     

Resina e pigmento, respectivamente

Resinas: são responsáveis pela formação da película protetora na qual se converte a tinta depois de seca.

Pigmentos: são partículas sólidas e insolúveis. Podem ser divididos em dois grupos: ativos e inertes. Os pigmentos ativos conferem cor e poder de cobertura à tinta, enquanto que os outros (também chamados de cargas) se encarregam de proporcionar lixabilidade, dureza, consistência e outras características.

Diluentes: também chamados de solventes, são líquidos voláteis que possibilitam que a tinta apresente sempre a mesma viscosidade e forma líquida.

Aditivos: são compostos que geralmente estão em pequena quantidade na tinta e conferem a ela características especiais, são exemplos: secantes, fungicidas, bactericidas, aromas.

Processo de fabricação

Pesagem e dosagem das matérias primas – são de acordo com a composição a produzir. Esta operação pode ser feita manual ou automaticamente;

Mistura – é feita misturas das resinas, diluentes, aditivos e, posteriormente, pigmentos. Nesse processo os vários constituintes transformam-se numa pasta;

Dispersão (moagem) – é processo de separação dos aglomerados de partículas de pigmentos e de cargas, formandos durante a mistura das partículas com o veículo (solvente orgânico ou água), em partículas primárias. Embora alguns pigmentos e cargas se dispersem facilmente em agitadores de alta velocidade, outros há que requerem a incorporação de aditivos;

Diluição e afinação da cor – O lote é enviado para tanques e/ou misturadores onde ocorre a adição de solventes, vernizes e aditivos.

Filtração – normalmente no produto existem partículas gelatinosas (peles) ou outras partículas indesejadas que são removidas através de crivagem ou centrifugação;

Depois da filtração, o material será encaminhado para o enchimento, rotulagem, armazenagem e expedição.

Indústria de tintas

Qualidade da tinta

A qualidade de uma tinta é dada pela análise de oito itens:

  1. Estabilidade;
  2. Cobertura;
  3. Rendimento;
  4. Aplicabilidade;
  5. Nivelamento;
  6. Secagem;
  7. Lavabilidade;
  8. Durabilidade

É importante ressaltar que tais características variam de acordo com o produto. Linhas diferentes de tinta têm variadas finalidades e se acordam com o local de aplicação.

As finalidades elas vão muito de acordo com o material em que se quer aplicar a tinta, se as pessoas que vão utilizar o local tem ou não algum tipo de alergia, o local em que será aplicado e ações de intemperismo pode sofrer, por exemple, se a tinta cobrirá algum local onde é importante que ela seja lavável e se vai incidir muitos raios solares.

Impactos Ambientais

O processo produtivo das tintas gera impactos ambientais, assim como à geração de efluentes e o próprio uso dos produtos.

As operações de lavagem de recipientes de cores diferentes necessitam da adição de certas substâncias, como água e solventes em solução de NaOH. Com isso, são gerados efluentes que contêm altas concentrações de solventes e sólidos suspensos, geralmente coloridos, que requerem tratamento. Essas substâncias contidas nos efluentes podem acarretar diversos problemas ambientais

Nesse contexto, segundo o planeta sustentável os fabricantes têm tomado ações visando produzir tintas mais sustentáveis, mesmo que ainda não tenha regras aqui no Brasil. Isso é o reflexo do mercado por produtos menos poluentes e menos agressivos para a saúde.

Patricia Rodrigues Gonring

Estudante de Engenharia Química da Universidade Federal do Espírito Santo – Alegre – ES

Fontes:

Tintas Imobiliárias de Qualidade – ABRAFATI, 2008 

Guia técnico ambiental tintas e vernizes – Cetesb, SP 

Tinta e o seu processo fabrico

Processo de Fabricação de tintas