FERTILIZANTES ORGANOMINERAIS: O CICLO FECHADO DE PRODUÇÃO

O Brasil sempre se consagrou como um país agrícola, contudo, nos últimos anos, tamanho desenvolvimento setor agrário impulsionou sua participação na economia nacional, e ainda, exigiu que áreas correlatas se desenvolvessem para atender a demanda. O maior impacto concentrou-se no mercado de fertilizantes, o qual não dispunha de recursos suficientes para suportar o consumo nacional, forçando-o a buscar novas alternativas, expondo-o ao mercado externo.

Diante deste cenário, a tecnologia organomineral desponta-se pela elevada eficiência no solo e como alternativa competitiva para reduzir a exposição do setor de fertilizantes ao mercado externo. Em paralelo, ainda contribui para a gestão de resíduos orgânicos de importantes setores, como avicultura, suinocultura e sucroalcooleiro.

Assim, os Fertilizantes Organominerais são resultantes da combinação de fertilizantes minerais e orgânicos, de maneira que a matéria orgânica é estabilizada (processo de compostagem) e enriquecida a fim de facilitar a absorção no solo e a nutrição das plantas.

Processo de Compostagem

Convencionalmente, a produção de fertilizantes organominerais consiste na estabilização da matéria orgânica recebida, por meio de técnicas de compostagem, em seguida realiza-se o enriquecimento mineral e por fim a pelletização. No entanto, uma nova modalidade de sistema de produção tem-se destacado, que é o ciclo fechado.

Processo de Produção dos Organominerais

No Ciclo Fechado, o processo produtivo se mantém, destacando a origem da matéria-prima e a destinação do produto acabado, de maneira que o resíduo orgânico é obtido da empresa que, posteriormente, irá adquirir o fertilizante organomineral.

Em outras palavras, a indústria de fertilizantes recolhe o resíduo orgânico gerado, processa-o e depois comercializa-o com a mesma empresa que forneceu a matéria-prima, fundamentando-se o ciclo fechado.

Ciclo Fechado de Produção de Organominerais

Desta forma, esta tendência tem se destacado como uma excelente alternativa para fidelizar clientes e ainda assegurar a destinação correta de resíduos orgânicos, uma prática benéfica a todos os setores envolvidos.

O presente texto pertence ao autor e não deve ser reproduzido sem autorização da BetaEQ e do mesmo.

Autoria de: Tayná de Souza Carrijo

Estudante de Engenharia Química da Universidade Federal de Uberlândia – Uberlândia/MG