O PAPEL DE UM ENGENHEIRO QUÍMICO NO SETOR AUTOMOTIVO

No começo da humanidade, se locomover para longas distâncias era realmente difícil. Inicialmente os animais foram muito utilizados para isso e com o surgimento da roda, as carroças e outros meios que ainda precisam de animais, porém já ficava mais fácil levar mais objeto de um lado para outro.

Os carros nasceram de uma necessidade humana de muito tempo, a locomoção. Mais de 100 anos atrás, um empreendedor chamado Henry Ford tinha o desejo de produzir um automóvel barato e acessível ao cidadão comum.

O automóvel se tornou realidade em 1888 e foi apresentado ao mundo pela mulher Karl Benz, que insistiu em mostrar aos críticos que a invenção de seu marido tinha utilidade e era segura. Ele começou então a ser produzido de forma artesanal e sua “fórmula” espalhada mundo afora, e foi assim que em 1896, Henry Ford aparece com seu primeiro automóvel.

A indústria de automóveis possui várias etapas de fabricação. Segundo o site da Fiat, temos:

  • Pólo de Desenvolvimento
  • Fábrica de Motores e Transmissão
  • Prensas
  • Unidade Operativa Funilaria
  • Pintura
  • Montagem Final
  • Pista de Testes

    Etapas do processo de produção dos automóveis

Nesse contexto, a necessidade de especialistas para conduzir, acompanhar e/ou supervisionar as etapas de produção desse setor mundialmente reconhecido e importante, tornou-se de fundamental importância. Neste cenário, uma diversidade de profissionais atuam ativamente.

Engenheiros químicos são os responsáveis pelo scale-up laboratorial para a escala industrial. Devem ser capazes de interpretar, projetar e otimizar todos os processos de qualquer indústria.

Esse profissional atua na concepção, no projeto, no teste, na operação, no controle e na otimização de processos químicos que mudam o estado, a microestrutura e a composição química de materiais. Além disso, trabalha em várias etapas de processos, desde o desenvolvimento e a supervisão de processos produtivos em indústrias, até a elaboração de técnicas de transformação físico-química de matérias-primas, lidando também com os resíduos gerados.

Nada impede que o engenheiro químico possa estar presente em todas essas etapas de produção automotiva desde que ele faça especializações voltadas para a indústria automobilística, mas há setores em que a participação do engenheiro químico é necessária devido a sua formação propriamente dita. Na fábrica de motores e transmissão podemos verificar esta participação no setor de transmissões, nos processos de usinagem, tratamento térmico, principalmente, e montagem.

No setor de prensas, podemos verificar uma participação mais ativa do engenheiro químico, onde as chapas de aço são transformadas em peças para a carroceria do automóvel. Elas chegam em bobinas e/ou chapas já cortadas e tratadas quimicamente. As prensas recortam, furam e dobram as chapas de aço até chegar à peça desejada. Todas as aparas de aço não aproveitadas no processo são transformadas em sucatas prensadas e, posteriormente, reprocessadas.

  No processo de pintura, o engenheiro químico contribui desenvolvendo processos de tratamento que são usados para proteção contra corrosão e resistência a intempéries, com materiais previamente qualificados em exaustivos ensaios em laboratório que resultam na cobertura das chapas internas e, externamente, formando uma película de cor final, síntese da excelência de proteção e aparência do carro. A aplicação de materiais fonoabsorventes e de vedação produzem conforto e proteção ao habitáculo quanto à poeira, água, ruídos e batida de pedras.

Já na etapa de testes vemos a participação do engenheiro químico nos testes de impermeabilidade feitos na cabine hídrica.

É notória a importância do engenheiro químico nesse ramo industrial. Esse profissional é universalmente conhecido como engenheiro de processos.

Lidar com etapas exaustivas de produção e testes laboratoriais, bem como projetos, gestão de pessoas e controle de processos fazem desse profissional peça chave no cenário industrial. Ele aprimora, planeja, otimiza, opera e colabora nos setores mais importantes de um indústria como esta, a fim de obter características como qualidade, conforto e bem estar, fatores que um automóvel deve oferecer.

REFERÊNCIAS

É da Ford a primeira linha de montagem da história

Engenharia química: uma das áreas mais valorizadas no mercado de trabalho

Processo produtivo

Produção de carros

Sistemas produtivos na indústria automobilística

Sobre o papel do engenheiro químico no grupo Fiat Automóveis

Versatilidade do Engenheiro Químico