TRATAMENTO DE RESÍDUOS AGREGANDO VALOR AO PROCESSO PRODUTIVO

Desde a Primeira Revolução Industrial, em que os processos industriais começaram a expandir consideravelmente, a sociedade vem adaptando as atividades para que gerem o menor impacto negativo possível. Dentre os impactos negativos de um processo produtivo, destaca-se o produção de rejeitos, os quais exigem uma metodologia adequada para seu descarte.

Contudo, durante muitos anos, o descarte de rejeitos industriais esteve fora das preocupações de uma organização, em que o critério para adoção de uma metodologia de descarte era aquele que se apresentasse mais simples e barato, independente das consequências ambientais e sociais.

Assim, diante das consequências ambientais conhecidas deste descarte incorreto, implicou na criação de uma legislação, a qual caracteriza o rejeito produzido, dita o tratamento necessário e assegura que este seja descartado apenas dentro de especificações que não causem danos ambientais e sociais.

Desta forma, avalia-se a vazão e a composição do efluente industrial, com intuito de quantificar a carga de poluição/contaminação e, em seguida, estabelecer os limites aceitáveis de descarte. Cenário que obriga as empresas a recorrerem a diferentes tipos de tratamento, tornando cada vez maior o investimento em sistemas de descarte.

Portanto, o conceito de tratamento de rejeitos industriais não surgiu como uma iniciativa do setor industrial, mas sim como uma exigência de órgãos regulamentadores. Fato que associou esta prática a um custo adicional ao processo e sem retorno financeiro, induzindo a uma cultura que enxerga o tratamento de rejeitos como empecilho da lucratividade.

É diante desta resistência a investimento no setor de tratamento de rejeitos, que hoje ainda se encontra atividades industriais irregulares, gerando contaminação ao ambiente com o descarte inadequado de seus rejeitos. Comportamento que gera preocupação quanto a qualidade dos recursos ambientais no futuro.

Felizmente, algumas instituições já venceram esta barreira cultural e destacam-se com os sistemas de tratamento de efluentes adotados. Com isso, vem crescendo uma tendência em que o tratamento eficiente dos rejeitos industriais agrega valor ao processo, reduzindo custos diante da possibilidade de reaproveitamento.

Por exemplo, pode-se destacar tratamentos de resíduos industriais que agregam valor ao processo produtivo através de do princípio de reutilização. Ou seja, ao invés de tratar o resíduo e descartá-lo, as empresas estão investindo em tecnologias que possibilitem a reutilização após o tratamento. Seja por meio da recuperação de algum insumo fundamental ao processo (como catalisadores e metais), pela reutilização deste rejeito tratado em alguma etapa do processo produtivo ou até mesmo como matéria-prima para processos de outras empresas (como a incorporação de resíduos orgânicos a produção de fertilizantes).

Seja no tratamento de efluentes, as tecnologias existentes são capazes de tornar este efluente próprio para reuso em algumas atividades dentro da própria indústria. O reuso pode ocorrer de duas maneiras: direta e indireta. O reuso direto consiste na utilização do próprio efluente tratado no processo, como para limpeza de pátio e equipamentos ou para irrigação. Enquanto que o reuso indireto ocorre quando o efluente é descarregado ao ambiente e utilizado de forma diluída. Esta prática tem-se destacado por agregar práticas sustentáveis a empresa, visto que auxilia na preservação da matriz hídrica existente, e, principalmente, por minimizar os custos com água industrial, visto que o processo de reutilização se destaca pelo baixo custo operacional.

Desta forma, percebe-se que o conceito de que tratamento de resíduos enquadra-se no orçamento da organização como apenas custo é ultrapassado. As tecnologias existentes permitem que agregue valor a este processo e ainda ganham com responsabilidade social. É importante que esta tendência se espalhe e conceitos de reutilização se tornem intrínsecos aos processos produtivos.

Referências

ABRA

Dinâmica Ambiental

Rocha Forte Saneamento

 

 

Deixe aqui a sua opinião