NANOTECNOLOGIA NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

O setor de cosméticos é divido entre maquiagem (19,3%), perfume (54,7%) e demais produtos (26%) e é um dos mais importantes para a economia mundial, estimado em US$ 90 bilhões. Mundialmente, o Brasil encontra-se em terceiro lugar no ranking de produção e em primeiro lugar na América Latina. Englobando tanto multinacionais quanto pequenas empresas locais, as companhias devem estar atentas às exigências dos consumidores e inovações tecnológicas e científicas do setor.

O setor de cosméticos é um dos mais importantes para a economia mundial

De acordo com a Anvisa, os cosméticos são produtos de uso externo e sua formulação pode conter tanto substâncias naturais quanto substâncias sintéticas e tem o objetivo de limpar, perfumar, alterar a aparência e proteger pele, cabelos, unhas, mucosas e etc. A necessidade de formulações para estes produtos faz com que a indústria de cosméticos seja considerada um ramo da indústria farmacêutica, onde devem ser observados formulações, controle de qualidade, efeitos colaterais e diversos outros aspectos. Este setor oferece espaço para os engenheiros químico, pois em sua formação estão inseridos conceitos como os de química, qualidade e processo produtivo, sem falar, ainda, do ramo de pesquisa e inovação.

O desenvolvimento de novas tecnologias é constante para a criação de produtos de melhor qualidade e que atendam as necessidades e exigência dos consumidores. O uso de nanotecnologia no setor é uma inovação promissora, pois as nanopartículas têm facilidade de penetração na pele conseguindo, desta maneira, fácil acesso às células do corpo o que potencializa o efeito de produtos como filtros solares, vitaminas e óleos essenciais.

Alcance dos produtos com e sem nanotecnologia nas camadas da pele

A implementação desta tecnologia vem ocorrendo há alguns anos e, entre 1994 e 2005, a companhia de cosméticos francesa L’Oreal foi a pioneira no setor a utilizar nanotecnologia e a 5ª colocada entre as empresas que mais patentearam produtos nanotecnológicos. No Brasil, a empresa Boticário desenvolveu produtos com tripla nanotecnologia para a linha anti-idade.

A empresa About You, com sede em Joinville, Santa Catarina, também possui produtos oriundos da nanotecnologia, onde os ativos (principal componente da formulação) são nano encapsulados. A nanocápsula é responsável por proteger o princípio ativo de perturbações como variações de temperatura e umidade. Além disso, a nanotecnologia implementada às cápsulas auxilia a estabilização dos ativos evitando a sua degradação.

Princípio ativo protegido por nanocápsulas

A nano encapsulação influencia auxilia, também, no controle de carga superficial das partículas, melhorando a fixação destas às superfícies de contato. Para o caso de xampus, as nanocápsulas possuem carga positiva, as quais serão atraídas pelas cargas negativas dos fios de cabelo.

Nanocápsula positiva atraída por carga negativa do fio de cabelo

Apesar de promissor, o uso da nanotecnologia em produtos requer regulamentação, para certificação da segurança do consumidor. O Brasil fabrica cerca de 640 produtos nanotecnológicos, dos quais cerca de 600 são cosméticos. Entretanto, ainda não existe uma legislação brasileira que proporcione o alinhamento com as indústrias internacionais, regulamentação de análises técnicas e validação pela Anvisa.

Fonte: A indústria de produtos cosméticos – Avanços científicos tecnológicos e regulatórios, Nanotechnology in cosmetics: A boon or bane?, Conhecendo um ativo nano encapsulado, Nanotechnology in the cosmetics industry, The role of nanomaterials in cosmetics: national and international legislative aspects.

Deixe aqui a sua opinião