PRODUÇÃO DE LEITE EM PÓ

Quando o leite em pó surgiu, em 1832, ele tornou-se uma solução viável para um mundo que ainda não conhecia a geladeira ou outros métodos modernos de conservação. Nesse aspecto, o químico russo M. Dirchoff foi genial.

Mas há quem diga que a ideia nem foi tão original assim. Pois o navegador italiano, Marco Polo relatou que os mongóis, em pleno século 13, já secavam o líquido sob o Sol transformando-o em uma pasta.

Sua popularidade, porém, veio com o químico alemão Justus von Liebig que o transformou em um alimento indicado para bebês. Sua fórmula inicialmente era um pó feito à base de leite de vaca, farinha de trigo e bicarbonato de potássio.

   

Leite em pó

Os leites em pó à base de lácteos oferecem opções nutritivas e de longa duração que podem ser usadas como uma alternativa ao leite fresco, como uma bebida instantânea e saudável ou como ingredientes em uma ampla variedade de receitas. Os consumidores esperam produtos altamente solúveis e consistentes que tenham um ótimo sabor e se dissolvam rapidamente. Os fabricantes esperam equipamentos e plantas confiáveis​ e higiênicos que processem leite em pó de alta qualidade com a composição química e as características físicas precisas.

ETAPAS DO PROCESSO DE PRODUÇÃO

Captação do leite

Tudo começa nas fazendas produtoras de leite, onde os fornecedores passam por uma auditoria antes de serem efetivados.

A ordenha é feita alinhando a tradição mineira de produção de leite às mais modernas técnicas de assepsia. E para garantir a qualidade após a ordenha, o leite é armazenado a uma temperatura de 3,5°C.

Depois de coletado, o leite é transportado por modernos caminhões isotérmicos, mantendo-o fresco e protegido durante o trajeto até a fábrica, garantindo que seja sempre entregue a uma temperatura inferior a 10°C.

Caminhão de transporte do leite, ainda líquido.

A entrada do leite na empresa segue todas as normas de padrão de qualidade exigidas, e somente é liberada após análises que comprovem suas perfeitas condições para industrialização.

Preparo do Leite

Logo ao chegar na fábrica, o leite in natura é submetido a 15 análises diferentes por caminhão. Também são feitas análises sensoriais para verificação do sabor, aroma e cor.

Acidez: o leite não pode apresentar acidez elevada. Dessa forma, no processo de seleção do leite cuidado especial deve ser observado com relação à acidez.

 

Analisador de leite automático – Modelo LACTOSCAN SP

Após aprovado pelo controle de qualidade, o leite é liberado e novamente resfriado e estocado a temperatura inferior a 5°C. A armazenagem é feita em grandes tanques.

Após o resfriamento, o leite segue para outros três processos:

  • ClarificaçãoProcesso mecânico e de força centrífuga, pelo qual se retira do leite as impurezas nele contidas.

Na elaboração do leite em pó integral é necessário realizar clarificação ou filtração, em filtros de nylon, quando o leite é padronizado por adição de nata ou por desnatamento parcial é realizado em desnatadeira.

CLARIFICADOR – Equipamento para clarificação do leite

  • Pasteurização – Processo em que se eliminam bactérias patogênicas e atividade microbiana presentes no leite pela ação do calor.

PASTEURIZADOR – Máquina de pasteurização do leite

Principais componentes presentes no pasteurizador: Tanque de balanço, bombas, válvulas, permutador de placas, com estrutura e placas em aço inoxidável, unidade de aquecimento, válvula de diversão de fluxo, holder tubular, tubagem de interligação e painel de comando.

  • Padronização – Processo de padronização do teor de gordura do leite para se ter um produto uniforme.

Depois de estocado nos silos de leite pasteurizado, inicia-se o processo de evaporação.

Evaporação

Consiste na eliminação de aproximadamente 85% da água contida no leite. A concentração é obtida por aparelhos que evaporam o leite a vácuo.

O processo de secagem é feito em uma grande câmara que faz a pulverização (spray dryer) do leite contra um fluxo de ar a alta temperatura. Nesta etapa, o leite perde praticamente toda a água restante, transformando-se em pó.

SPRAY DRYER – equipamento para secagem do leite em pó

Entretanto existem duas técnicas que, todavia, são mais econômicas, que são os processos de membrana como a ultrafiltração e a osmose reversa.

A ultrafiltração consiste em um método de separação por meio de membranas de permeabilidade seletiva, empregando gradiente de pressão, que permite a retenção de partículas coloidais e macromoléculas e a permeação de moléculas menores, no entanto a ultrafiltração que deixa passar com a água uma parte dos componentes de baixo peso molecular não é uma técnica muito indicada neste caso, porém pode ser utilizada para preparar concentrados proteicos em pó e/ou produtos parcialmente desmineralizados.

Um fator limitante para o grau de concentração é a viscosidade do produto durante a ultrafiltração porque a viscosidade do produto retido é tão alta que muitas vezes é necessário, e acaba resultando mais barato, terminar a concentração do leite em um evaporador. O retentado é rico em proteínas e tende a apresentar conformação e propriedades funcionais inalteradas em relação às proteínas originais.

O leite em pó é transferido pneumaticamente para silos onde fica aguardando a liberação do controle de qualidade para finalmente ser embalado. O envase final é feito automaticamente, com substituição da atmosfera interna da embalagem, garantindo a qualidade e o sabor do leite durante o seu prazo de validade.

Envase

As embalagens, no setor do alimento industrializado, criadas com o objetivo de preservar e proteger o produto, não mais ostenta somente este sentido de “prestação física”, adquirindo novas funções, possíveis pela especialização e evolução de sua tecnologia e pelos novos métodos mercadológicos.

A importância das embalagens já está conscientizada entre a maioria dos produtores e consumidores; elas atendem aos interesses do consumidor, cumprindo suas metas técnicas e do produtor, como veículo de comunicação, de distribuição e difusão do produto, dentro dos planos operacionais mercadológicos, relacionados com os lucros, perdas e vendas da organização. A embalagem perfeita é o elo de comunicação que exprime a mensagem do fabricante ao cliente, informando-o das virtudes possuídas pelo produto.

MÁQUINA TETRA PAK A3 FLEX – permite envazar o leite em embalagem com tampa rosca

Distribuição

Já prontos para a comercialização, após passarem por todas as etapas anteriores, com rigorosos controles de qualidade nas diversas linhas de produção, os produtos são encaminhados para o almoxarifado.

Produção Mundial de Leite Em Pó

Segundo a EMBRAPA produção mundial de leite em pó integral é de 3,7 milhões de toneladas enquanto a de leite em pó desnatado é de 3,5 milhões de toneladas, totalizando, portanto, cerca de 7,2 milhões de toneladas.

Para o leite em pó integral, analisando os principais produtores mundiais pode-se verificar certo recuo na produção da Nova Zelândia, Reino Unido e Rússia. Por outro lado, houve incremento da participação do Brasil, França, Holanda e Dinamarca. Outros países que não integram a lista dos maiores também apresentaram aumento de participação mundial, conforme apresentado na tabela abaixo.

Tabela 1: Os maiores países produtores de leite em pó integral (em ton)

Um estudo elaborado pela Kantar Worldpanel e que analisa o consumo de leite no Brasil aponta que o segmento em pó foi o único a crescer de janeiro a junho no ano de 2018. O produto ganhou 3,9 pontos percentuais em quase todas as regiões do país – exceto Grande São Paulo e Sul -, o que significa que mais de 2 milhões de lares passaram a comprar leite em pó.

O levantamento revela ainda que no Nordeste o UHT vem sendo substituído pelo leite em pó.

Analisando o período de paralisação dos caminhoneiros, que afetou o país em maio de 2018, a Kantar Worldpanel apurou que não houve queda no consumo de leites no período, mas que o impacto foi sentido no preço médio.

Ainda segundo a empresa, os leites especiais (enriquecidos ou fortificados, por exemplo) seguem como grandes apostas da indústria, no entanto, ainda deixam os consumidores em dúvida em relação aos benefícios proporcionados. Dessa forma, nota-se que a indústria de produção de leite é sólida, com grande mercado e com muito mais a explorar, e nós como engenheiros ou futuros engenheiros químicos só temos a ganhar.

 

 

 

Fonte:

Estudo prático – Como é feito o leite em pó

NICOLINI, C. Leite em pó. Universidade Federal de Pelotas, 2008.

Embaré – Processo de produção

Portal do Vale do Taquari – Máquinas importadas

ASP – ARSOPI: Pasteurização do leite

MILKPOINT – Leite em pó se destaca no consumo dos brasileiros e conquista novos lares compradores

Deixe aqui a sua opinião