CORANTE TARTRAZINA

O corante Tartrazina é um pó que tem a estrutura do corante E102. Seu nome na IUPAC é Trisodium (4E)-5-oxo- 1-(4-sulfonatophenyl)- 4-[(4-sulfonatophenyl)hydrazono]- 3-pyrazolecarboxylate, além da sua coloração que é geralmente em tons de ouro ou amarelo que vem da tinta do alcatrão de carvão. A substância não tem cheiro e sabor, bem solúvel em água fria e de gordura, fazem parte do grupo dos ácidos que faz com que seja possível obter diferentes gradações de amarelo. Sua massa molar é de 534.3 g/mol.

Estrutura química da tartrazina

No entanto, quando expostos a luz solar direta quebra-se rapidamente em compostos simples, com propriedades completamente diferentes. Para armazenar é utilizado vitral geralmente selado ou recipiente esmaltado.

Utilizado em alimentos como: cereais, aperitivos, confeitos, cereja em calda, coberturas, sobremesas, lácteos aromatizados, massas, molhos, queijos, recheios, revestimentos, refrescos e refrigerantes, sucos de frutas e xaropes para refrescos. Esse corante confere coloração amarela e em meio alcalino apresenta-se na cor vermelha, assim como o Amaranto, é descolorido na presença de ácido ascórbico e dióxido de enxofre.

É apresentado como responsável pela maior parte das reações adversas causadas pelos corantes azo, porém é bastante utilizado pela indústria de alimentos. Aponta-se que grande parte das pessoas sensíveis à aspirina apresentem também reação a esse corante.

Segundo Ferreira (2015), o corante Tartrazina apesar de no Brasil ser o corante mais utilizado em alimentos industrializados, é o corante que mais causa reação adversa numa grande parte da população. Nesse sentido ressalta a importância do uso desses aditivos, sendo assim necessário estar em alerta sobre o consumo desse aditivo na alimentação.

Em Informe Técnico nº. 30, de 24 de julho de 2007 da ANVISA, devido estudos realizados no Estados Unidos terem demonstrado casos de reações alérgicas ao corante amarelo tartrazina, foi proposto a inclusão de advertência nos alimentos sobre os efeitos do corante tartrazina em pessoas sensíveis por meio da Consulta Pública nº. 68. Porém a inclusão da frase “Contém Corante Amarelo Tartrazina” foi descartada por não possuir base científica para a comprovação da intolerância a tartrazina por populações específicas.

Referências

FERREIRA, F.S, Aditivos alimentares e suas reações adversas no consumo infantil. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 13, n.1, p.397- 407, 2015.

PRADO, M. A; GODOY, H. T. Corantes artificiais em alimentos. Alimentos e Nutrição, v.14, n.2, p. 237-250, 2003.

ANVISA