COSMÉTICOS II: CLASSIFICAÇÕES E APLICAÇÕES DOS COSMÉTICOS

Atualmente os cosméticos são vistos como um produto essencial. Nosso cotidiano é repleto de produtos de higiene pessoal e beleza. E cuidar da beleza não é uma ciência exata, mas se a sequência correta da aplicação dos cosméticos for seguida à risca, pode haver grandes chances de maximizar o efeito dos produtos. Para isso é preciso compreender como eles são classificados e suas aplicações.

Cosméticos são substâncias, misturas ou formulações usadas para melhorar ou para proteger a aparência ou o odor do corpo humano. No Brasil, eles são normalmente tratados dentro de uma classe ampla, denominada produtos para a higiene e cuidado pessoal.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, por meio da Resolução RDC Nº 211 (Brasil, 2005), define que os produtos de Higiene Pessoal, Perfumes e Cosméticos (HPPC) são preparações constituídas por substâncias naturais ou sintéticas, de uso externo nas diversas partes do corpo humano, pele, sistema capilar, unhas, lábios, órgãos genitais externos, dentes e membranas mucosas da cavidade oral, com o objetivo exclusivo ou principal de limpá-los, perfumá-los, alterar sua aparência e/ ou corrigir odores corporais e/ou protegê-los ou mantê-los em bom estado.

A classificação desses produtos e outros de natureza e finalidade idênticas estão baseados na Lei 6.360/76 e artigos 3°, 49° e 50°, do Decreto 79094/77 e na RDC 211/05. Os grupos de produtos estão enquadrados em quatro categorias e classificados quanto ao grau de risco a que oferecem, dado a sua finalidade de uso para fins de análise técnica, quanto do seu pedido de registro, sendo:

  1. Categorias:
  • Produto de Higiene;
  • Cosmético;
  • Perfume;
  • Produto de Uso Infantil;
  1. Grau de Risco:

Os critérios para essa classificação foram definidos em função da finalidade de uso do produto, áreas do corpo abrangidas, modo de usar e cuidados a serem observados, quando de sua utilização.

  • Grau 1: Produtos com risco mínimo, ou seja, são produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes cuja formulação se caracterizam por possuírem propriedades básicas ou elementares, cuja comprovação não seja inicialmente necessária e não requeiram informações detalhadas quanto ao seu modo de usar e suas restrições de uso, devido às características intrínsecas do produto.

Tabela 1: Exemplos de produtos de grau 1.

  • Grau 2: Produtos com risco potencial, ou seja, são produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes cuja formulação possua indicações específicas, cujas características exigem comprovação de segurança e/ou eficácia, bem como informações e cuidados, modo e restrições de uso.

Tabela 2: Exemplos de produtos de grau 2.

Por critério de forma e/ou textura, a classificação dos cosméticos pode ser:

  • Creme: sua forma é consistente, emulsionada. Dependendo das substâncias utilizadas em sua formulação, destina-se à limpeza, hidratação ou nutrição.
  • Leite ou loção cremosa: é uma emulsão fluida, geralmente O/A (óleo em água). Existem também os chamados “óleos hidrolíficos”, emulsão A/O, usados principalmente como demaquilantes para qualquer tipo de pele.
  • Loção: é uma solução constituída da mistura de substâncias químicas, podendo ser transparente ou opaca, incolor ou colorida. O veiculo pode ser constituído de água, álcool/água, água/propilenoglicol. De acordo com a ação a que se destinam, são denominadas loções tônicas, adstringentes, antissépticas, calmantes, hidratantes, etc.
  • Gel: sua forma cosmética é viscosa, mucilaginosa, obtida mediante coloides protetores, transparentes ou não, que, ao secar deixam uma película invisível sobre a pele. Por não conter material graxo, é indicado para peles lipídicas.
  • Suspensão: são misturas heterogêneas que apresentam uma fase líquida em que se dispersa outra sólida (facilmente sedimentada). Exemplos: leite de colônia, pasta d’água etc.
  • : mistura de substâncias que se encontram no estado seco, finamente divididas e misturadas intimamente. Às vezes há adição de um líquido (perfume, por exemplo), que logo é absorvido. Exemplos: talco perfumado, pó compacto.

Outra classificação dos produtos cosméticos baseia-se em suas funções e aplicações, que podem ser:

  • Higienizar: remover da superfície cutânea as impurezas provenientes das secreções, dos resíduos celulares e do ambiente, melhorando seu aspecto e facilitando suas funções. Não devem permanecer sobre a pele e mucosas além do tempo necessário para cumprir sua ação de limpar. Exemplos: xampus, sabonetes, abrasivos, pastas dentífricas.

  • Conservar/proteger: manter a pele em bom estado, protegendo-a e conservando as características que definem o estado de equilíbrio perfeito de todas as suas funções, ou seja, manter a eudermia da pele. Exemplos: protetor solar, hidratante;

Figura 4: Marcas de protetores solares mais conhecidas e utilizadas.

  • Reparar/corrigir: atuar sobre as imperfeições da pele ocasionadas por alterações orgânicas ou funcionais, que, geralmente, têm origem em causas externas. Exemplos de imperfeições: melasmas, efélides, manchas senis, acne, rugas;
  • Maquiar/enfeitar: realçar a beleza e mucosa labial pela aplicação de diversos produtos coloridos. Além dessa função, podem corrigir ou dissimular imperfeições. Exemplos: batons, blush, iluminador, sombras de olho, entre outros.

Com tamanhas classificações e aplicações, os cosméticos se tornaram peças chaves para o dia a dia de qualquer pessoa. A aparência pessoal é hoje requisito de grande importância em todos os segmentos, levando a população atual a dar maior valor a sua aparência, e buscar nos cosméticos as ferramentas para essa realização. Hoje podemos nos beneficiar do produto que colore e trata a pele, limpa, perfuma e protege os cabelos, como nunca antes na história da humanidade.

Quantos produtos com essas aplicações não utilizamos em um dia inteiro? Já pararam para pensar que a todo momento estamos usando algo que nos beneficie, melhore ou modifique nossa pele? Diariamente buscamos por mudanças em várias áreas da nossa vida e isso não seria diferente para com o nosso visual e bem-estar.

Todas essas características, classificações e aplicações qui citados, tornam esses produtos cada vez mais importantes e consumidos no mundo todo. O Brasil, por exemplo, é o terceiro país do mundo no consumo de cosméticos, atrás somente de Estados unidos e Japão.

A importância do uso desses produtos se torna maior a cada dia e isso está diretamente ligado aos elementos primários para seu desenvolvimento e as etapas de produção. Desse modo, é preciso conhecer quais matérias-primas e processos utilizados para a obtenção de produtos tão bons e desejados. Quer saber mais sobre como são constituídos os cosméticos e seu processo produtivo? Então não perde tempo e corre para ler o próximo episódio.

REFERÊNCIAS

Classificação de produtos cosméticos

Classificação dos cosméticos conforme a Anvisa 

O verdadeiro papel dos cosméticos 

Para ler os outros textos da Série Cosméticos, acesse os links abaixo:

COSMÉTICOS I: ORIGEM DOS COSMÉTICOS

COSMÉTICOS III: MATÉRIAS PRIMAS E PROCESSO DE PRODUÇÃO DOS COSMÉTICOS

COSMÉTICOS IV: A TECNOLOGIA DOS COSMÉTICOS