COSMÉTICOS III: MATÉRIAS PRIMAS E PROCESSO DE PRODUÇÃO DOS COSMÉTICOS

O desejo de ficar mais bonita(o), disfarçar a idade ou a simples preocupação com a saúde e bem-estar movimenta milhares de produtos cosméticos todos os dias. Mas será que você sabe do que eles são feitos e como são produzidos? Nesse texto falaremos sobre as matérias-primas e processos utilizados na confecção desses produtos.

 

A indústria de cosméticos, perfumaria e de higiene pessoal é um segmento da indústria química que tem como principal insumo os compostos petroquímicos, em especial a química fina. As formulações de cosméticos são complexas e utilizam muitas matérias-primas e processos diferentes, porque cada cosmético deve apresentar várias propriedades simultaneamente ajustadas para as aplicações desejadas.

Eles são constituídos por substâncias que compõem as formulações ou misturas e podem ser formadas por uma gama de composições, com componentes de origem vegetal, animal ou mineral, podendo também ser natural ou sintética.

As matérias-primas constituídas nos cosméticos normalmente não são perigosas para a saúde, com raras exceções, logo suas quantidades devem ser estritamente controladas. Abaixo, a Tabela 3 apresenta substâncias químicas que são muito usadas na fabricação de cosméticos.

A base para o desenvolvimento dos cosméticos é a matéria-prima. As possibilidades de produtos a serem utilizados para se tornarem componentes dos cosméticos são grandes. Além das substâncias químicas comumente aplicadas nas formulações, têm-se outros produtos (matérias-primas) que caracterizam os cosméticos em outra “categoria”, sendo estes:

  • Cosméticos Naturais: aqueles que possuem, no mínimo, 95% do total das suas matérias-primas de origem natural e os 5% restantes por matérias primas orgânicas e/ou sintéticas, desde que esses ingredientes não atendam pelo nome de Parabenos, Petrolatos, Triclosan, Mercúrio, Óleo mineral, Hidroquinona, PEGs, Imidazolidinyl Urea, Diazolidinyl Urea, Lauril Sulfato de Sódio, Lauril Éter Sulfato de Sódio, BHA, BHT e Silicone;
  • Cosméticos Orgânicos: são formulados com matérias-primas naturais certificadas, produzidas com base na sustentabilidade. A plantação e colheita não agridem o meio ambiente, pois são livres de agrotóxicos e outros agentes químicos.
  • Cosméticos Veganos: diferente do que muita gente pensa, não tem a ver com ele ser natural ou orgânico, mas sim com o fato de ele não possuir ingredientes de origem animal e nem ser testado em animais (Cruelty-free). Ou seja, trata-se de um produto que não utiliza matérias-primas de origem animal como mel, cera de abelha, lanolina, colágeno, albumina, carmim e gelatina, entre outras.

Para obtenção desses cosméticos é preciso todo um planejamento e sequência de atividades, sendo estas, etapas de um processo produtivo. Apesar da diversidade, os produtos citados nos textos anteriores são obtidos por processos fabris caracterizados por:

  • Baixo consumo de energia: grande parte dos processos é realizada à temperatura ambiente. Aqueles que necessitam de aquecimento são feitos por curto período de tempo, atingindo uma temperatura máxima de 80° C, em função da característica da maioria das matérias-primas, que se degradam quando expostas a temperaturas superiores. A quase totalidade dos produtos possui seus procedimentos de envase à temperatura ambiente;
  • Grande consumo de água: é considerada, em termos de quantidade, como uma das principais matérias primas na fabricação de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Além da incorporação em muitos produtos, a água também é utilizada em sistemas de resfriamento, na geração de vapor, bem como em procedimentos de limpeza e sanitização de máquinas, equipamentos, tubulações de transferência e mangueiras;
  • Produção por batelada: é a produção de forma descontínua (processo pelo qual as matérias-primas adicionadas são convertidas em produto final), em uma determinada quantidade, num prazo de tempo determinado, o que implicam variáveis a serem controladas de uma batelada para outra. É utilizada, principalmente, em função da diversidade de produtos e das quantidades necessárias para suprir a demanda de mercado.

Etapas do Processo Produtivo

As particularidades e especificações do processo produtivo de cada cosmético em especial são muito importantes. Porém, o processo produtivo como um todo, de todos eles, possui um formato globalizado e totalmente independente.

O sucesso no desenvolvimento de um novo cosmético depende não só de escolher corretamente as matérias-primas que o compõem, mas também do seu processamento através de operações industriais adequadas que são: recebimento, armazenagem, separação e pesagem de matérias-primas, análises físico-químicas e organolépticas (para fins de controle de qualidade, quando aplicável), envase, embalagem, armazenamento e expedição de produto acabado.

Essas etapas são parte fundamental para obtenção de todo e qualquer cosmético. Assim cada uma delas possui um papel no processo fabril, que é:

  • Recebimento de matérias-primas (MP): verificação do material recebido, por amostragem e análises. Eventuais desconformidades identificadas podem levar à devolução dos compostos aos respectivos fornecedores;
  • Armazenagem de MP: estoque de matérias-primas, embalagens para os produtos acabados e demais insumos normalmente recebidos em recipientes retornáveis. Pode haver segregação de produtos, por razões de compatibilidade, bem como necessidade de condições especiais de conservação, como, por exemplo, refrigeração;
  • Pesagem e separação de matérias-primas para produção do lote: para cada produto a ser obtido, as matérias-primas são previamente separadas e pesadas de acordo com as quantidades necessárias, e encaminhadas à produção. Os insumos recebidos a granel e estocados em tanques ou silos podem ser conduzidos ao setor produtivo por linhas de distribuição, dependendo do nível tecnológico da empresa;
  • Produção: em função da diversidade de produtos e das peculiaridades verificadas em seus processos produtivos, para essa etapa foram desenvolvidos fluxogramas específicos por tipo ou grupo de produtos que envolvam operações similares;
  • Análises: uma vez finalizado, o lote produzido é amostrado e submetido a análises físico-químicas e microbiológicas (quando aplicável), e, após atestada sua adequação, este é encaminhado para envase/embalagem. Nos casos em que o produto acabado não está de acordo com os padrões estabelecidos, o lote poderá ser reprocessado a fim de atender às exigências/padrão de qualidade e reaproveitado na fabricação de outros produtos ou descartado;
  • Envase/Embalagem: confirmada a adequação do produto, o mesmo é acondicionado em recipientes apropriados e identificados. Esta etapa engloba o acondicionamento de produtos em frascos (plásticos ou de vidro), sacos, bisnagas ou o empacotamento, no caso de sabonetes, por exemplo. Uma vez embalado, o produto é identificado por rótulo ou impressão;
  • Armazenamento de produtos acabados: o produto, já acondicionado em embalagem para comercialização, é encaminhado para a área de armazenamento, onde permanece até que seja enviado ao cliente;
  • Expedição: ponto de saída dos produtos acabados para o comércio.

As etapas e respectivas atividades consideradas comuns à maior parte dos processos produtivos envolvidos compõem o fluxograma representado na figura abaixo.

Figura 5: Fluxograma geral do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos.

O grande segredo de tudo isso está no formato da produção, na disponibilidade de materiais eficientes e mão de obra eficaz. Por isso, manter os padrões de qualidade é a principal obrigação das empresas que trabalham nesse ramo. Consequentemente, a busca por melhorias, aprimoramento e aperfeiçoamento da qualidade dos produtos em meio ao uso da tecnologia, faz com que os cosméticos sejam mais procurados, vendidos e consumidos.

No próximo texto, discutiremos mais acerca do assunto e veremos o que está por trás de toda a produção desses embelezadores.

REFERÊNCIAS

GALEMBECK, Fernando; CSORDAS, Yara. Cosméticos: A química da beleza. Sala de leitura, 2019.

PEREIRA, Professor Francisco Sávio Gomes. Cosméticos – Texto 08. Processos Químicos Industriais. Recife, 2012.

Matérias primas usadas em cosméticos

Cosmético orgânico, vegano, natural, cruelty-free: entenda as diferenças

 

Para ler os outros textos da Série Cosméticos, acesse os links abaixo:

COSMÉTICOS I: ORIGEM DOS COSMÉTICOS

COSMÉTICOS II: CLASSIFICAÇÕES E APLICAÇÕES DOS COSMÉTICOS

COSMÉTICOS IV: A TECNOLOGIA DOS COSMÉTICOS