A ENGENHARIA POR TRÁS DOS ASFALTOS

Todos os dias, inúmeros veículos passam por vias, estradas e rodovias, as quais precisam estar em um bom estado, possibilitando assim, conforto e segurança no trafego. Desse modo, de tempos em tempos as pistas são renovadas, recebendo uma nova camada de piche.

O piche nada mais é que o asfalto em seu estado líquido, sendo proveniente do petróleo, obtido pelo processo de destilação, sendo que os elementos leves são separados por vaporização, fracionamento, condensação e por último é destilado a vácuo.  Primeiramente, o petróleo cru é aquecido em uma fornalha, inserido em uma coluna de destilação e assim, seus derivados vaporizam de acordo com a temperatura de ebulição. A substância com menor ponto de ebulição (PE) é condensada na primeira bandeja e quando entra em contato com o vapor da substância com maior PE, o menos volátil retorna a fase gasosa e sobe até a próxima bandeja para continuar o processo de condensação.

Além de encontrar o asfalto no estado líquido, utilizado na pavimentação, também pode-se encontrar no estado sólido, empregado nas indústrias. Este último é voltado para impermeabilização e revestimento de dutos, e é conhecido como asfalto oxidado, isto é, durante a sua fabricação é injetado ar na massa asfáltica e, ainda, é acrescentado o pó de asfalto no revestimento externo, tornando-o mais resistente a corrosão e a água.

Existe um órgão responsável por cuidar de toda a parte logística, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e compete aos agentes adquirir, armazenar, industrializar, comercializar, cuidar do controle de qualidade e prestar assistência ao consumidor. Esse cuidado se dá por meio de especificações e classificações encontrados em resoluções feitas pela ANP.

A ANP, por meio da resolução nº 27 de 18 de setembro de 2008, define asfalto como sendo uma substância de cor escura com consistência sólida ou semi-sólida, constituídos através de misturas de hidrocarbonetos, sendo o betume o principal constituinte.

Existem, no entanto, variedades de asfalto, pois cada via recebe um tipo de trafego, onde há a passagem de veículos mais pesados – rodovias e BR -, usa-se o CAP (Cimento Asfáltico de Petróleo), ADP (Asfalto Diluído de Petróleo) e a Emulsão Asfáltica e, em bairros residenciais, onde há a movimentação de veículos mais leves, é utilizado um asfalto mais “comum”, composto de betume, areia, pó de pedra e gravilha.

Além desses, existem o asfalto de borracha que possui em sua composição fragmentos de pneus usados. Ele foi desenvolvido para fins de sustentabilidade e de maior durabilidade, sem contar no custo de produção, que é inferior aos outros tipos.

  Asfalto de borracha

As vias precisam estar em um ótimo estado de uso, pois, além de melhorar o trafego, trazem mais segurança e conforto para quem as usa. Para que as ruas permaneçam em perfeitas condições, de tempos em tempos é preciso fazer uma manutenção nelas, assim como, a qualidade do piche empregado é de suma importância.

 

REFERÊNCIAS

Asfalto

Asfalto

Conheça a diferença entre piche e asfalto

LEGISLAÇÃO

Conheça os vários tipos de asfalto e suas aplicações