POLIETILENO VERDE: PRODUÇÃO E VANTAGENS

A indústria química é uma das mais dinâmicas e versáteis e é capaz de facilitar e nos oferecer comodidade e conforto, estando presente em diversos aspectos da nossa rotina, desde o setor alimentício, cosmético e farmacêutico, energético e diversos outros. Apesar dos incontáveis benefícios trazidos por estes setores, existe a desvantagem dos inúmeros danos ambientais causados pelos processos e produtos oriundos da indústria química.

O atual cenário fez com que as empresas adotassem a responsabilidade ambiental, onde as indústrias químicas fazem a manutenção para o bem-estar do meio ambiente buscando soluções para minimizar os impactos negativos causados por elas. A partir destas ideias, surgiu a Química Verde que tem a finalidade de inovar através da criação de produtos e processos químicos que reduzam ou minimizem o uso de substâncias nocivas ao ambiente.

O uso de matérias primas renováveis é uma das alternativas para a inovação da indústria química. A cana-de-açúcar já vem sendo utilizada para a produção em escala industrial de polietileno verde, pois o polietileno tradicional, além de utilizar fontes fósseis como matéria prima, é um polímero largamente utilizado, porém são produtos facilmente substituídos e descartados no ambiente.

Fórmula estrutural do polietileno

A produção da versão ecológica do polietileno, o polietileno verde ou resina polimérica, ocorre a partir do etileno oriundo da desidratação do etanol produzido a partir da cana-de-açúcar. A indústria petroquímica foi a pioneira na fabricação do polietileno ecológico e, para a produção dessa resina polimérica existem algumas etapas principais:

  • Cultivo da cana-de-açúcar
  • Produção industrial do etanol a partir da cana-de-açúcar

  • Obtenção do eteno:
    • Desidratação do etanol: esta etapa ocorre na fase vapor, onde o etanol hidratado se mistura a uma corrente pré-aquecida de água e tem sua temperatura elevada. Um reator recebe a alimentação de etanol e vapor d’água onde ocorrerá a desidratação catalítica do álcool. A escolha da água como fluido inerte para esta reação é devido à característica endotérmica do processo, evitando a formação do éter etílico como produto indesejável.

Desidratação do eteno

  • Purificação do eteno: o eteno obtido a partir da desidratação do etanol a elevadas temperaturas passa por um processo de resfriamento rápido para a remoção da água formada e de outros compostos polares como acetaldeído, ácido acético e etanol não reagido. O eteno sai da torre de resfriamento ainda com pequenas quantidades de impurezas e o método de remoção vai depender do grau de pureza desejado para o produto final.
  • Polimerização do eteno;
  • Transformação do polietileno verde em produtos.

Fluxograma representando a produção do polietileno verde e do polietileno tradicional

A apesar de utilizar fontes renováveis para a sua produção e os impactos causados pela sua produção serem relativamente menores do que os causados pela produção tradicional, o polietileno verde possui características semelhantes à versão comum e, consequentemente, não é biodegradável.

Vantagens X Desvantagens do polietileno verde

Contudo, apesar das vantagens e desvantagens apresentadas, para o Brasil, por ser o maior produtor e fornecedor de cana-de-açúcar do mundo, a produção da resina verde é economicamente mais viável em relação a produção do polietileno comum.

REFERÊNCIAS

Aplicação do Polietileno no Contexto da Química Verde;

Inovação Tecnológica e Polietileno Verde;

Polietileno verde do etanol da cana-de-açúcar brasileira: Biopolímero de classe mundial