FLUIDOS SUPERCRÍTICOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA

Os fluidos supercríticos são aqueles localizados na região física acima do ponto crítico, ou seja, o valor mais elevado de pressão e temperatura no qual pode ocorrer equilíbrio líquido-vapor. A partir deste ponto, a substância é constituída de uma única fase, chamada de supercrítica, e a substância não pode ser liquefeita sem reduzir temperatura e pressão.


Fonte: Fluidos supercríticos são alternativa a solventes tóxicos.

A extração de componentes ativos de substratos naturais geralmente depende de solventes orgânicos, como acetona e benzeno. Porém, essas substâncias são, na maioria das vezes, tóxicas ao ser humano e danosas ao meio ambiente, pois se dissolve facilmente em água, poluindo fontes potáveis e sendo prejudicial aos peixes. O fluido supercrítico pode ser aplicado na extração desses componentes, e seu uso pode vir a evitar riscos que os solventes orgânicos apresentam nesses processos. Além disso, como ele é dissipado assim que é despressurizado, não se faz necessária sua evaporação ao fim do processo, impedindo que o composto ativo seja danificado.

Com ênfase, tem-se a extração de café, um processo em regime semicontínuo, pois a variação da concentração da cafeína varia com o tempo e o espaço dentro do extrator. O processo pode ser dividido em três etapas principais: entrada da matéria-prima, extração e saída do produto.


Fonte: (CARDOZO; CASTRO, 2014)

A vantagem da utilização do fluido supercrítico é ser uma tecnologia limpa, além de poder ser reciclado ou incorporado ao meio ambiente. Esses fluidos possuem propriedades como alta difusividade e baixa viscosidade, que contribuem para um aumento do poder de difusão do fluido na matriz, melhorando a solvatação e, consequentemente, aumentando a transferência de massa entre a matriz e o fluido, permitindo extrações com maior eficiência.

Referências:

CARRILHO, E.; TAVARES, M. C. H.; LANÇAS, F. M. Fluidos supercríticos em química analítica. I. Cromatografia com fluido supercrítico: conceitos termodinâmicos. Quím. Nova, São Paulo, v. 24, n. 4, 2001.

CARDOZO, I.G.P.; CASTRO, L.O.S. Projeto de um processo piloto para extração de cafeína. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Química) – Universidade Federal de Alfenas, Poços de Caldas, 2014.

PIES, G. Tecnologia supercrítica aplicada à obtenção de extratos ricos em compostos fenólicos a partir de casca de jabuticaba Plinia trunciflora (O.Berg) Kausel. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos)  – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

Fluidos supercríticos são alternativa a solventes tóxicos.