PEGADA ECOLÓGICA, UM NOVO CONCEITO NO UNIVERSO DA SUSTENTABILIDADE

Deixamos marcas no meio ambiente durante toda a nossa existência, estas podem ter dimensões maiores ou menores de acordo com o estilo de vida que adotamos. De acordo com este pensamento, os especialistas William Rees e Mathis Wackernagel desenvolveram na década de 90 um novo conceito no universo da sustentabilidade, a Pegada Ecológica.

A Pegada Ecológica é uma metodologia que contabiliza, em hectares globais (gha), o impacto do consumo humano sobre os recursos naturais. Em outras palavras, a Pegada foi criada para que fosse possível perceber o quanto de recursos naturais são utilizados para sustentar um estilo de vida (casa, móveis, roupas, transporte, alimentos, dentre outros parâmetros). A Pegada pode ser compreendida ainda como uma ferramenta de leitura e interpretação da realidade, pela qual é possível vislumbrar problemas conhecidos e propor novos caminhos para solucioná-los através de medidas sustentáveis de cada indivíduo.

A base de cálculo das pegadas leva em consideração os variados tipos de territórios produtivos (agrícola, pastagens, oceanos, florestas, áreas construídas), as formas de consumo (alimentação, habitação, energia, bens e serviços, transporte e outros), as tecnologias utilizadas, os tamanhos das populações. Também são inclusas no cálculo as áreas necessárias para alocar os resíduos gerados e as reservas de terra e água para a manutenção da biodiversidade. Os dados analisados são então convertidos em hectares por intermédio de tabelas específicas.

Um hectare global equivale a um hectare de produtividade média mundial para terras e águas produtivas pelo período de um ano. A capacidade dos ecossistemas em produzir recursos úteis e absorver os resíduos gerados pelo ser humano é denominada biocapacidade.

Você já pensou na quantidade de natureza que é necessária para manter seu estilo de vida? É possível ter acesso a calculadora ecológica em várias plataformas on-line, dentre elas se encontra o Sua Pegada Ecológica desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais juntamente com a Rede Clima.

Os componentes da Pegada Ecológica

Carbono: Extensão de florestas capaz de absorver emissões de CO2 oriundas da queima de combustíveis fósseis.

Áreas de cultivo: Extensão de áreas destinadas a produção de alimentos e insumos destinados ao consumo humano e animal.

Pastagens: Área destinada a criação de gado e outros animais para corte e produção de leite, couro e lã.

Florestas: Extensão florestal necessária para fornecimento produtos madeireiros, celulose e lenha.

Áreas construídas: Áreas cobertas por infraestrutura humana.

Estoque pesqueiro: Estimativa de produção primária necessária para sustentar os pescados marinhos ou de água doce.

Família das Pegadas

As sociedades industrializadas apresentam pegadas cada vez maiores e o planeta já não apresenta espaço físico terrestre suficiente para sustentar a humanidade no elevado padrão atual. É preciso assegurar que o estilo de vida esteja alinhado com a capacidade de recuperação do meio ambiente. Além da Pegada Ecológica, mais dois indicadores fazem parte da Família das Pegadas, a Pegada de Carbono e a Pegada Hídrica.

  • Pegada Ecológica – Dimensiona os impactos da ação humana sobre a natureza levando em consideração a quantidade de área bioprodutiva necessária para suprir a demanda das pessoas por recursos naturais e para a absorção do carbono.
  • Pegada de Carbono – Mede os impactos da humanidade sobre a biosfera, quantificando os efeitos da utilização de recursos sobre o clima.
  • Pegada Hídrica – Estima os impactos causados na hidrosfera pelas atividades humanas, monitorando os fluxos de água.

A utilização dos indicadores em conjunto fornece uma análise mais completa das consequências das atividades do homem sobre a natureza. Entretanto, vale ressaltar que apenas a utilização direta dos recursos naturais pode ser estimada por esses indicadores, os recursos indiretos da natureza não podem ser mapeados.

Além da estimativa dos impactos ambienteis causados pela humanidade, a família de Pegadas pode revelar a distribuição desigual do uso de recursos entre habitantes no mundo. Assim, esses dados podem amparar políticas de desenvolvimento social e ambiental.

Esquematização da Família das Pegadas. Fonte: WWF (modificada)

Perspectivas

Estudos da WWF revelam que a capacidade de regeneração dos recursos naturais do planeta é menor que a demanda da população mundial. Dados da pegada ecológica da humanidade indicam que atualmente são necessários cerca de 1,7 planetas Terra para sustentar o estilo de vida, colocando, com isso, a biocapacidade do planeta em alto risco.

Os constantes problemas ambientais têm alavancados discussões sobre o modo de exploração da natureza realizado até hoje. Ambientalistas reforçam a necessidade de um esforço mundial para reverter a tendência de aumento das pegadas afim de evitar uma crise socioambiental e uma disputa por recursos.

Novas formas de gerar energia, meios de transporte, formas de comunicação, formas de produção e consumo e novas matérias-primas para nossos produtos são alternativas estudas para diminuir os impactos ambientais do homem no planeta Terra. Neste contexto, o engenheiro químico deve desempenhar papel fundamental no desenvolvimento de novas tecnologias, processos e produtos que estejam alinhados com os conceitos de sustentabilidade e inovação necessários.

Fontes:

A agenda do meio ambiente e o desafio para o desenvolvimento sustentável

Dia da Sobrecarga da Terra chega mais cedo em 2018

Pegada Ecológica? O que é isso?

Teste sua pegada ecológica