SUPER COLA E SEUS FATOS CURIOSOS

O principal componente ativo das super colas é o cianocrilato, um polímero acrílico que forma uma adesão instantânea entre os materiais. Grande parte das superfícies dos materiais apresentam rugosidades, ainda que estas aparentem serem lisas a olho nu. Os adesivos agem preenchendo os espaços vazios e, após a secagem, as superfícies são unidas em uma peça só.

O cianoacrilato foi desenvolvido acidentalmente em 1949, pelo químico Harry Coover, nos laboratórios da Kodak. Coover estava trabalhando na síntese de plásticos transparentes para o reparo de armas de precisão, e observou que cianoacrilatos grudavam em tudo o que tocavam. Em 1951, Coover se deu conta do potencial dos cianoacrilatos como adesivos.

Em 2016, o Brasil ocupava a posição de maior consumidor da cola Super Bonder no mundo, sendo esta marca lembrada como sinônimo de cola instantânea. Empregada corriqueiramente em muitos reparos, foi criada em 1997 pela empresa norte-americana Loctite, que mais tarde foi comprada pela Henkel, empresa alemã. Ao longo do tempo, a fórmula desta cola foi aperfeiçoada na busca de melhoria na performance.

À medida que Loctite Super Bonder entra em contato com as superfícies que serão aderidas, ocorre a polimerização de monômeros de cianoacrilato, que leva à formação de ligações extremamente fortes.

As matérias-primas empregadas na produção deste adesivo são inflamáveis, sendo assim, ficam armazenadas em galpão com sistema de segurança contra explosão. O etil-cianoacrilato, principal componente do Super Bonder, por exemplo, é mantido em grandes tanques a pressão negativa a fim de evitar explosão.

O etil-cianoacrilato é misturado a outras substâncias, cujos nomes são mantidos em segredo pela empresa, para obtenção do Super Bonder. Após este processo, controlado rigorosamente, a cola Super Bonder é depositada em contêineres até que seja envasada.

No envase, a cola é bombeada para uma máquina que faz a distribuição do produto na quantidade certa para dentro de bisnagas de metal. Estas bisnagas, que são importadas, são seladas automaticamente, assim que são preenchidas com o produto.

Em seguida, as bisnagas são encaminhadas para a linha de embalagens, onde são acomodadas manualmente em um blister de plástico. Segundo a empresa, já houve a tentativa de mecanizar essa etapa, mas sem sucesso, uma vez que a bisnaga de metal exige delicadeza por amassar com muita facilidade.

REFERÊNCIAS

Os bastidores da produção da cola Super Bonder

Cianoacrilato, C5H5NO2