A ENGENHARIA QUÍMICA NA INDÚSTRIA TÊXTIL

O segmento têxtil é um dos mais atrativos mercados de consumo de produtos químicos. Isso porque, em cada etapa do processo de produção, a química está presente. Os corantes, amaciantes, tensoativos, dentre outros produtos de acabamentos em tecidos são de grande importância para a indústria têxtil.

O primeiro corante sintético foi obtido de maneira acidental em 1856, em uma época que os produtos eram raros por resultarem de receitas artesanais. A contribuição da Engenharia Química foi gigante no âmbito das fibras sintéticas para aplicação na indústria têxtil.

As matérias-primas utilizadas na indústria têxtil podem ser de origem natural ou química. Os naturais podem vir de fonte animal (como lã e seda) ou vegetal (linho e algodão); enquanto que os químicos podem ser os artificiais ou sintéticos. Os artificiais, por exemplo, como acetato e viscose, são confeccionados por meio da celulose presente na madeira ou no línder do algodão.

Algodão: matéria prima de origem natural vegetal

Lã: matéria-prima de origem natural animal

Madeira: matéria-prima utilizada para confecção da viscose – artificial

Sabe-se que nem todas as fibras sintéticas descobertas tiveram aplicação na indústria têxtil, como é o caso do cloreto de polivinilo (PVC). Mas, por exemplo, o nylon, poliéster e o acrílico foram de grande interesse para essa indústria.

Atualmente, muitas são as pesquisas por novos tecidos sintéticos que sejam similares aos orgânicos em relação a aparência, textura e durabilidade, mas com materiais alternativos e novas fibras. Um caso de sucesso tem sido o reaproveito de materiais, o que reflete também em redução nos custos de produção, trazendo grandes vantagens para a indústria. Um exemplo, no caso de tecidos nanotecnológicos, é a etapa de tingimento que ocorre sem a utilização de elementos químicos tóxicos e poluentes.

REFERÊNCIAS

Minas Gerais quer triplicar área de plantio de algodão

Os têxteis e a Engenharia Química

Inovações Químicas

Tecnologia para Indústria Têxtil

Matéria prima pode ser natural ou química