FLUIDOS DE PERFURAÇÃO – TEXTO II – PERFURAÇÃO DE POÇOS

O poço é o elo de ligação entre a rocha reservatório e a superfície. O objetivo da perfuração de poços é recuperar, da melhor forma possível, o óleo e o gás preso nas rochas.

A perfuração hoje é capaz de atingir regiões de grande complexidade. Assim sendo, é possível realizar perfurações nas chamadas águas profundas, a estrutura que permite a perfuração dos poços é chamada de sonda de perfuração ou plataforma de perfuração. Quando esta sonda se localiza em terra, para explorações no continente, as operações são ditas onshore. Quando a sonda se localiza em alto mar, geralmente afastadas do continente, são ditas operações offshore. Além disso, as perfurações, tanto on-shore quanto offshore podem ser feitas em poços verticais ou horizontais.

Nem sempre os poços são verticais, eles também podem ser direcionais e horizontais. A perfuração direcional visa desviar, intencionalmente, a trajetória de um poço vertical para encontrar regiões que não se encontram diretamente abaixo da superfície, além de outras finalidades, já poços horizontais, são poços altamente desviados, feitos na horizontal, para garantir maior aproveitamento.

Em terra ou mar, a perfuração de um poço é um trabalho realizado sem interrupção, que só termina quando se atinge a profundidade programada ou o objetivo proposto para a perfuração. A perfuração em terra é feita com sonda de perfuração, constituída de estrutura metálica de mais de 40 metros de altura (torre) e de equipamentos especiais. A torre sustenta um tubo vertical, a coluna de perfuração, em cuja extremidade é colocada uma broca. Por meio de movimentos de rotação e peso transmitido pela coluna à broca, as rochas são perfuradas. Para contrabalançar as pressões existentes na formação, resfriar a broca, carrear a rocha triturada (cascalhos de perfuração) até a superfície, além de evitar desmoronamento das paredes do poço, é circulado na coluna um fluido de perfuração. O fluido é injetado por bombas para o interior da coluna de perfuração através da cabeça de injeção, e retorna à superfície através do espaço anular formado pelas paredes dos poços e a coluna. Ao atingir determinada profundidade, a coluna de perfuração é retirada do poço e uma coluna de revestimento de aço de diâmetro inferior ao da broca, é descida no poço. O anular entre os tubos do revestimento e as paredes do poço é cimentado com finalidade de isolar as rochas atravessadas, permitindo então o avanço de perfuração com segurança. Após a operação de cimentação, a coluna de perfuração é novamente decida no poço, tendo na sua extremidade nova broca de diâmetro menor do que a do revestimento para o prosseguimento da perfuração. Do exposto, percebe-se que um poço é perfurado em diversas fases, caracterizadas pelos diâmetros das brocas.

Após a etapa de perfuração e revestimento do poço ele deve ser “completado”. Sendo o processo em que o poço está habilitado a produzir. A completação tem o objetivo de equipar o poço para a produção de óleo ou gás ou para injetar fluidos no reservatório, preparando-o para a produção. Trata-se de uma intervenção subsequente à perfuração de um poço que, ao conectar o reservatório de hidrocarbonetos à unidade estacionária de produção, permite que seja conectado de maneira segura e controlada. Essa operação consiste na instalação de equipamentos – tanto no interior do poço de petróleo, como também no seu exterior – responsáveis pelo controle da vazão dos fluidos e funções auxiliares como aquisição de dados, controle da produção de areia e elevação artificial.

Uma boa completação deve oferecer:

  • Segurança na operação do poço, seja durante as intervenções ou durante a vida produtiva do poço;
  • Proteção do meio ambiente, evitando derramamento de óleo ou escape de gases para a atmosfera;
  • Possibilidade de se obter a maior vazão de óleo/gás permitida pelo gerenciamento do reservatório, otimizando a produção do poço;
  • A maior longevidade possível, reduzindo o número de intervenções futuras no poço e, consequentemente, reduzindo o custo total do projeto;

A partir dessas etapas o poço está na sua faze mais importante a de produção, após isso um poço é dito chegar a um “limite econômico”, quando sua taxa de produção não cobre as despesas, incluindo impostos, sendo considerados exauridos e então abandonados.

Continue por aqui porque ainda tem mais para saber sobre fluidos de perfuração. Não perde o próximo texto!!

Referências:

Monitoramento das propriedades químicas e físicas dos fluidos de perfuração

CONHEÇA OS DIFERENTES TIPOS DE POÇOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

Poço de Petróleo

Completação