Bóson de Higgs

O Bóson de Higgs, fruto de uma suposição científica, é uma partícula essencial que os cientistas utilizam para justificar a composição material do Universo. No caso, este seria o elemento essencial no meio de toda energia que configura o Cosmos, por isso, é conhecido por muitos estudiosos como “Partícula de Deus”.

Sua primeira anunciação foi feita em 1964 pelo físico inglês Peter Higgs, a partir das ideias de Philip Anderson. Entretanto, nunca se foi observado experimentalmente esta partícula, apesar de sua realidade já ter sido demonstrada de maneira indireta em muitos estudos.

A explicação da teoria tenta explicar porque algumas partículas subatômicas possuem muita massa, enquanto outras possuem nenhuma ou pouca. A resposta é que, quanto mais a partícula é capaz de interagir com esse campo de Higgs, mais massa ela tem. Higgs sugeriu que, quando ocorreu o Big Bang, todas as partículas eram iguais e não possuíam massa, mas, à medida que o Cosmos foi esfriando, formou-se o campo invisível de Higgs.

Apesar de nunca ser comprovada experimentalmente, esta teoria proporcionou um avanço à Ciência, pois se descobriu que os átomos eram fruto da ação recíproco entre corpúsculos menores, como os léptons, férmions e bósons, sendo um total de 16 partículas básicas (12 de matéria e 4 de energia).

Entretanto, ainda não se tem como explicar de onde procede a qualidade material do Universo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bóson de Higgs 

O que é Bóson de Higgs e por que ele é chamado de Partícula de Deus?