METODOLOGIA WORLD CLASS MANUFACTURING

Desde a revolução industrial até os dias de hoje, o homem tem gerado consideráveis avanços na maneira de produzir, gerenciar tarefas e administrar as organizações. Estes avanços ficaram conhecidos como ‘’evolução dos modelos de gestão’’. Em busca da excelência e da geração máxima de valor, passamos por modelos como o Taylorismo e o Fordismo até chegar no Lean Manufacturing.

A antiga gestão baseada no improviso e no “achismo” deu espaço para uma gestão profissionalizada e baseada em conhecimentos teóricos aplicados à realidade de todos os tipos de organização. O conhecimento desses novos conceitos de transformação, no novo contexto organizacional do século XXI, é de fundamental importância.

Em virtude disso, uma metodologia que ganhou destaque na melhoria de processos, incluída no contexto do Lean – a produção enxuta, foi a World Class Manufacturing. Ela foi desenvolvida pela Fiat e por seus parceiros, bem como professores de grandes universidades do mundo, como a Universidade de Kyoto, no Japão, em 2005.

Na sua essência, o WCM é um sistema de gestão integrado com um conjunto de conceitos, princípios, políticas e técnicas que tem como objetivo principal a redução de custos, a partir da utilização rigorosa de métodos e ferramentas que auxiliam no combate sistêmico a cada desperdício e perda existente em toda a cadeia.

Em meados da década de 80, quando a Toyota se destacava cada vez mais das outras empresas pelo seu Sistema Toyota de Produção (de onde o Lean Manufacturing se originou), as empresas ocidentais precisavam achar uma maneira de se tornarem competitivas. Assim, foi surgindo o conceito de “classe mundial”, ou seja, competir pela primazia, pela liderança de mercado. Foi uma questão de tempo até surgir a Manufatura de Classe Mundial, tendo sido aplicado de forma sistemática e bem sucedida pela FIAT no ano de 2009, salvando a Chrysler da falência.

O WCM pode ser, dessa forma, visto como uma adaptação do Lean Manufacturing voltado a atender algumas características culturais do ocidente, como a ansiedade por resultados mais imediatos.

O World Class Manufacturing é fundamentado em pilares técnicos e pilares gerenciais. São esses pilares que direcionam toda a metodologia. Na base, estão os pilares gerenciais:

  • Envolvimento e comprometimento da alta administração;
  • Definir os objetivos de forma clara;
  • Mapear todo o caminho para o WCM;
  • Alocar profissionais altamente qualificados;
  • Comprometimento de toda a organização;
  • Focar em melhoria contínua para obter competência organizacional;
  • Tempo e finanças;
  • Nível de expansão;
  • Nível de detalhes;
  • Motivação dos operadores.

Logo após, destaca-se os pilares técnicos, que são:

  • Segurança;
  • Desdobramento dos custos;
  • Melhoria focada;
  • Manutenção autônoma e organização do ambiente de trabalho;
  • Manutenção planejada;
  • Controle de qualidade;
  • Logística e atendimento ao consumidor;
  • Gestão preventiva dos equipamentos;
  • Desenvolvimento das pessoas envolvidas;
  • Atenção ao meio ambiente.

É perceptível que o World Class Manufacturing sofre forte influência do Sistema Toyota de Produção, da mesma forma que o Lean Manufacturing. Por isso, a utilização desta técnica e a adoção deste pilar permitem decidir de forma racional quais desperdícios atacar e como distribuir os custos da maneira mais eficiente possível, visando à melhoria do ambiente operacional.

REFERÊNCIA

A evolução dos modelos de gestão 

O que é WCM e o papel da indústria 4.0 

WCM: o que é e como funciona?

WCM – O que é? Como aplicar? Como implantar na empresa?